Lieberman diz que Israel vai regir à medida palestina

Israel vai responder ao pedido de filiação dos palestinos à Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou Avigdor Lieberman, ministro de Relações Exteriores israelense nesta quarta-feira. Já o vice-chanceler, Danny Ayalon, pediu que a resposta do Estado judeu seja a anexação de grandes blocos de assentamentos.

AE, Agência Estado

21 Setembro 2011 | 11h08

"A iniciativa palestina não ficará sem uma resposta de Israel, mas eu não acho que mais detalhes devam ser divulgados", disse Lieberman à rádio militar de Israel numa entrevista telefônica, de Nova York.

"Precisamos ver como as coisas se desenvolvem no processo no qual os palestinos estão engajados. Temos ferramentas suficientes para responder", declarou o chanceler.

Lieberman, que preside o partido ultranacionalista Israel Beitenu, parte importante da coalizão de governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, também rejeita a ideia de congelamento das construções em assentamentos judaicos.

"Não haverá congelamento, nem mesmo de um dia", declarou Lieberman, enquanto diplomatas internacionais tentam encontrar uma forma para evitar a iminente tempestade diplomática que a campanha de filiação palestina pode produzir.

Lieberman negou informações divulgadas pelo diário israelense Yediot Aharonot de que ameaça deixar o governo de Netanyahu se o premiê não tomar medidas suficientemente rigorosas em resposta à campanha palestina, como o congelamento de transferências de dinheiro ou anexação de assentamentos. "Tudo isso é completamente falso."

Mas o vice de Lieberman, Danny Ayalon, disse à rádio pública de Israel que o governo deve tomar medidas para anexar os maiores blocos de assentamentos, que abrigam a maioria dos 300 mil judeus que vivem na Cisjordânia.

"De qualquer forma, está claro para o mundo todo que esses blocos serão parte do Estado de Israel", disse ele.

"Nós preferiríamos que isso fosse feito como parte de um acordo, mas os palestinos - ao seguirem para a ONU - violaram todos os acordo, com os quais já não estamos mais comprometidos", afirmou Ayalon.

"Anexar os blocos (de assentamentos) vai permitir que evitemos problemas com a comunidade internacional cada vez que realizarmos construções", declarou ele. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
IsraelpalestinosONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.