Lieberman inicia giro europeu

Chanceler de Israel pede ação contra o Irã e tenta mudar imagem do governo de Netanyahu

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

05 de maio de 2009 | 00h00

Em seu primeiro giro como chanceler de Israel, o ultradireitista Avigdor Lieberman alertou ontem em Roma que o Irã "desestabiliza o Oriente Médio e o mundo", em um esforço para substituir a questão palestina pelo projeto nuclear iraniano do topo da agenda regional. O chanceler tenta também dissipar a imagem negativa na Europa do novo governo de Binyamin "Bibi" Netanyahu, dominado por partidos de direita e extrema direita. "É importante sublinhar que o maior problema, neste momento, é o Irã", declarou Lieberman. Além da Itália, o novo ministro das Relações Exteriores visitará França, República Checa - que ocupa a presidência rotativa da União Europeia (UE) - e Alemanha. Em Roma, Lieberman voltou a criticar a criação de um Estado palestino. Em resposta, a UE reafirmou seu compromisso com a chamada solução de dois Estados.Imediatamente após ser empossado, o novo chanceler - líder do partido de ultradireita Israel Beiteinu - condenou os acordos que preveem a criação de um Estado para os palestinos, como a cúpula de Annapolis, de 2007. Lieberman é acusado de racismo por ter defendido a submissão de cidadãos árabes a um juramento de lealdade ao Estado de Israel.Segundo o líder direitista, a escolha da Itália como sua primeira escala na Europa foi "natural", por causa da proximidade entre Roma e Tel-Aviv. No entanto, o chanceler italiano, Franco Frattini, disse em entrevista ao jornal israelense Yediot Ahronot que pediria a seu colega israelense "baixar o tom de suas declarações".Questionado antes de embarcar para a Itália sobre um acordo com os palestinos, o chanceler israelense havia declarado que o governo de Bibi, formado há pouco mais de um mês, não teve tempo de formular uma "lista com todos seus planos diplomáticos". "Mas nossa intenção é tomar a iniciativa e não perder tempo com declarações e slogans", completou, alfinetando os "16 anos sem resultados" que sucederam aos Acordos de Oslo, de 1993.REUNIÃO COM OBAMAO presidente de Israel, Shimon Peres, está em Washington, onde se reunirá com líderes da comunidade judaica e, na quinta-feira, com o presidente Barack Obama. Os objetivos da visita de Peres aos EUA seriam semelhantes aos de Lieberman na Europa: reforçar a importância da ameaça iraniana e reverter a imagem negativa que ronda o novo governo direitista israelense.Peres se encontrará com Obama duas semanas antes de Bibi - gesto que, segundo analistas, demonstraria o descontentamento de Washington com o novo gabinete israelense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.