Liga Árabe acredita em acordo entre EUA e Rússia

O presidente da Liga Árabe, Nabil al-Arabi, disse neste domingo (9) que acredita em uma reconciliação da Rússia e dos Estados Unidos sobre a situação na Síria, para facilitar um fim da crise no país. "As conversas entre os EUA e a Rússia, juntamente com o enviado internacional Lakhdar Brahimi, continuaram hoje em Genebra (Suíça)", disse Arabi após uma reunião no Qatar.

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

09 de dezembro de 2012 | 16h25

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, se reuniu na quinta-feira com seu equivalente russo, Sergei Lavrov, em Dublin (Irlanda), em um encontro que também contou com a participação de Brahimi. Hillary disse que não houve "grandes avanços" durante a conversa, mas que novos encontros devem ocorrer.

Segundo Arabi, o objetivo das reuniões entre autoridades russas e norte-americanas é "preparar uma resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU)" sobre a crise na Síria. "Essa resolução vai enviar uma clara mensagem para o regime sírio, de que ele não está mais protegido", comentou o presidente da Liga Árabe.

A Rússia, juntamente com a China, é um dos únicos aliados do presidente sírio, Bashar al-Assad, e tem repetidamente bloqueado as resoluções do Conselho de Segurança contra seu regime. O primeiro-ministro do Qatar, o xeque Hamad bin Jassem al-Thani, descreveu a inação do Conselho de Segurança como "inaceitável".

Segundo órgãos de direitos humanos, mais de 42 mil pessoas já morreram na guerra civil na Síria, iniciada em março do ano passado. "Nós esperamos que as reuniões entre os EUA e a Rússia levem a uma ação conjunta, para que o Conselho de Segurança assuma suas responsabilidades", afirmou Thani. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaLiga ÁrabeEUARússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.