Liga Árabe adia para domingo divulgação de relatório sobre a Síria

Observadores estão no país para relatar possíveis abusos cometidos pelo regime de Bashar Assad

Efe

19 de janeiro de 2012 | 19h30

CAIRO - A Liga Árabe adiou até o próximo domingo a apresentação do relatório final de seus observadores na Síria, cuja missão continuará até o final de semana e pode ser renovada, informou nesta quinta-feira, 19,o chefe de operações da delegação, Adnan Issa al-Khodeir.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

A fonte detalhou que o organismo pan-árabe decidiu realizar a reunião de seu grupo de contato sobre a Síria um dia depois do previsto e algumas horas antes do encontro entre os chanceleres árabes.

 

Khodeir acrescentou que o grupo de contato - formado por Egito, Sudão, Omã, Argélia, Arábia Saudita e Catar, além do secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Elaraby - se reunirá no domingo de manhã e apresentará suas conclusões no posterior encontro dos chefes da diplomacia árabe.

 

Após estudar e avaliar o relatório geral elaborado pelos observadores, os ministros das Relações Exteriores deverão decidir se renovam ou finalizam a missão. Está previsto que o documento inclua as observações da delegação árabe sobre a situação na Síria, especialmente sobre se Damasco respeitou seu compromisso de cessar a violência, libertar os detidos durante os protestos e retirar as tropas das ruas.

 

Esses são alguns dos pontos que figuram no plano de solução à crise proposto pela Liga Árabe, que em dezembro impôs sanções econômicas ao regime do presidente sírio, Bashar Assad, e ameaçou transferir a questão ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Após obter a aprovação das autoridades sírias para permanecer um mês no país, o primeiro grupo de observadores chegou a Damasco em 22 de dezembro e desde então visitou regiões castigadas pela violência para verificar o cumprimento da iniciativa. O chefe de operações lembrou nesta quinta que ainda há 17 grupos de observadores desdobrados em distintas regiões da Síria, que mandam relatórios sobre a situação no território diariamente.

 

Embora o fim da missão estivesse previsto para esta quinta-feira, fontes da organização pan-árabe manifestaram que continuará até o dia 22, à espera da decisão dos ministros árabes. No entanto, Khodeir detalhou que a parte mais importante de seu trabalho estará presente no relatório que será apresentado neste domingo pelo chefe da missão, o general sudanês Mohammed Ahmad Mustafa al-Dabi, aos ministros árabes.

 

Com relação ao possível envio de forças árabes à Síria para proteger os civis, Khodeir explicou que este assunto não está na agenda das reuniões, embora não tenha descartado a possibilidades de que alguns países abram o debate sobre esse assunto.

 

Apesar da presença de observadores árabes, a violência não cessa na Síria, onde nesta quinta-feira morreram ao menos 25 pessoas em distintas províncias do país pela repressão das forças do regime, segundo os últimos números divulgados pelos Comitês de Coordenação Local. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.