Liga Árabe adverte para perigo de guerra de civilizações

O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, alertou hoje para a possibilidade de a atual campanha contra o terrorismo se transformar em uma guerra de civilizações entre o Ocidente e o mundo muçulmano. Moussa conclamou legisladores europeus e de países do Oriente Médio, reunidos em Bruxelas em um fórum parlamentar especial euro-mediterrâneo, para trabalharem juntos com a intenção de cessar a "atual campanha de calúnia e difamação" dirigida contra o mundo islâmico após os ataques terroristas nos Estados Unidos em 11 de setembro. "Caso os dois lados continuem reforçando os estereótipos, isso ateará fogo no mundo. Temos que nos iluminar", disse Moussa, acrescentando que o mundo precisa focalizar as causas do terrorismo, que, segundo ele, são a miséria e a desigualdade. O chefe da política de segurança e de relações exteriores da União Européia, Javier Solana, também conclamou os legisladores a procurarem pelas causas das ações terroristas, incluindo a continuidade do conflito israelense-palestino. "Temos que ter coragem para enfrentar qualquer questão", afirmou. Moussa, cuja organização representa 21 países árabes e os territórios palestinos, também sugeriu a elaboração de um plano para lidar com qualquer possibilidade de conflito de culturas no futuro. "Nós precisamos de vocês e acho que vocês precisam da gente", disse. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.