Zohra Bensemra/Reuters
Zohra Bensemra/Reuters

Liga Árabe apresenta nesta quarta plano por fim da violência na Síria

Grupo pedirá diálogo com a oposição, retirada das tropas das ruas e realização de eleições

Associated Press

02 de novembro de 2011 | 11h18

CAIRO - A Liga Árabe revelará nesta quarta-feira, 2, seu plano para acabar com a violência na Síria, pedindo a retirada das forças de segurança das ruas e a realização de eleições livres, disseram diplomatas envolvidos na elaboração do acordo com o governo do presidente Bashar Assad.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

O órgão deve fazer o anúncio em sua sede, no Cairo. Na terça-feira, a agência estatal da Síria anunciou que Damasco concordou com o plano, mas um membro da Liga Árabe disse que o governo de Assad não havia respondido até então. A proposta é o mais próximo que países vizinhos da Síria parecem ter chegado para arranjar uma solução para os sete meses de conflitos contra o regime.

 

Diplomatas árabes envolvidos no processo disseram que o plano inclui pedidos para que todos os prisioneiros políticos sejam libertados, uma nova Constituição e a realização de eleições parlamentares e presidenciais livres e monitoradas por observadores internacionais. Também deve haver diálogo com a oposição, embora os contrários ao regime disseram que não vão negociar enquanto Assad estiver no poder.

 

A repressão aos protestos pró-democracia levaram a comunidade internacional a condenar o regime sírio. A União Europeia e os Estados Unidos impuseram duras sanções econômicas contra membros do governo de Damasco e vários líderes internacionais pediram a renúncia de Assad, que se recusa a deixar o poder.

 

Diplomatas afirmaram que não houve consenso na Liga Árabe. Os países do Golfo pressionaram pela suspensão da Síria como membro do grupo caso insistisse na repressão e não aceitasse a proposta, mas houve nações que advogaram por mais diálogo. Todos os governos concordaram, porém, que é importante não deixar a Síria se tornar "uma nova Líbia", que viveu oito meses de guerra civil e terminou com a morte do ex-ditador Muamar Kadafi.

 

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) mais de 3 mil pessoas já morreram na repressão. Desertores do Exército começaram a se organizar e iniciaram lutas contra as forças de segurança de Assad. Damasco, por sua vez, afirma que mais de mil agentes foram mortos e culpa "grupos armados e terroristas" pelos protestos e pela violência. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.