Liga Árabe declara apoio a opositores de Kadafi

Bloco árabe passa a considerar opositores que tentam derrubar o ditador ''representantes [br]legítimos do Estado líbio''

, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2011 | 00h00

CAIRO

A Liga Árabe reconheceu ontem o Conselho Nacional de Transição (CNT) legítimo representante da Líbia e afirmou que chegou a hora de o assento de Trípoli na organização voltar a ser ocupado - agora, pelos rebeldes.

O regime de Muamar Kadafi havia sido suspenso do bloco árabe em fevereiro, depois de intensificar a repressão aos opositores. Quando forças do ditador chegaram às portas de Benghazi, em março, a Liga Árabe solicitou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que aprovasse uma zona de exclusão aérea - medida tomada dias depois.

"Chegou a hora de a Líbia tomar o lugar que lhe é legitimo na Liga Árabe. O CNT vai ser o representante do Estado líbio", afirmou o secretário-geral do bloco, Nabil Elaraby, a repórteres. Abdelmoneim el-Houni, emissário do CNT na Liga Árabe, disse que a Líbia voltará à organização em um encontro ministerial marcado para domingo.

Formalmente, o secretariado do bloco rejeita dizer com todas as letras que reconheceu os rebeldes líbios, argumentando que o reconhecimento cabe a Estados - e não a organizações regionais. Na prática, porém, o retorno de um representante à assembleia do bloco equivale ao reconhecimento. Vários países árabes - entre eles o Egito (onde fica a sede da Liga Árabe), além de outros como Catar, Bahrein e Tunísia - já iniciaram relações com o CNT como legítimo representante do Estado líbio./ AP

PARA ENTENDER

A posição da Liga Árabe diante da crise na Líbia foi fator decisivo para os avanços sobre Trípoli. Em 2003, o bloco posicionou-se contra a decisão americana de invadir o Iraque - medida que contribuiu para retirar legitimidade da guerra. Contra a Líbia, o Catar chegou a participar dos bombardeios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.