Reuters/Sana
Reuters/Sana

Liga Árabe denuncia campanha para fracasso de sua missão na Síria

Dois militares kuwaitianos da membros da missão da Liga Árabe na Síria ficaram feridos

Efe,

10 de janeiro de 2012 | 12h12

CAIRO - A Liga Árabe denunciou nesta terça-feira, 10, 'uma campanha maliciosa' contra sua missão na Síria e responsabilizou o regime de Damasco por garantir a segurança dos observadores, após os recentes ataques contra alguns integrantes da delegação.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

Em comunicado, o secretário-geral da organização, Nabil al Arabi, afirmou que esta campanha, que inclui 'atos irresponsáveis e de violência', é uma tentativa de 'fazer fracassar a missão árabe'. 

 

Além disso, ao menos dois militares kuwaitianos, membros da missão de observadores da Liga Árabe na Síria, ficaram levemente feridos nesta terça-feira ao serem atacados por manifestantes, segundo a agência oficial de notícias do Kuwait, "Kuna".

A agência, que cita um comunicado do Exército kuwaitiano, aponta que vários manifestantes agrediram um grupo de observadores árabes e feriram dois deles, sem detalhar o local exato onde o incidente teria acontecido.

Os dois kuwaitianos foram levados a um hospital para receber assistência e já receberam alta.

Além disso, a "Kuna" indica que na segunda-feira um grupo de observadores, que incluía enviados do Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Iraque, Marrocos e Argélia, foi atacado na cidade de Latakia.

No dia 8 de janeiro o Exército kuwaitiano anunciou o envio de vários de seus soldados à Síria para se unirem à delegação da Liga Árabe encarregada de comprovar o cumprimento de sua iniciativa para encontrar uma saída à crise no país.

Atualmente, há na Síria 165 observadores árabes, cujo número aumentará para 200 no final desta semana.

No último domingo, o grupo de contato da Liga Árabe, liderado pelo Catar, decidiu dar mais tempo à missão e aumentar o número de efetivos e da ajuda à delegação.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaAssad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.