Liga Árabe faz alerta sobre escalada de violência na Síria

Conselho de Segurança já se articula para discutir uma resolução contra o regime sírio.

BBC Brasil, BBC

27 de janeiro de 2012 | 19h06

O chefe da missão de observadores da Liga Árabe na Síria fez uma alerta nesta sexta-feira sobre a escalada da violência no país, com a intensificação da repressão do regime aos protestos.

Segundo o general Musatafa al Dabi, a violência dificulta o engajamento das partes em uma solução negociada para o conflito. De acordo com ativistas, 135 pessoas morreram apenas nos dois últimos dias.

O correspondente da BBC em Damasco, Jeremy Bowen, diz que o regime está aparentemente perdendo o controle de áreas da capital para grupos rebeldes.

Enquanto segue a escalada da violência, o Conselho de Segurança já se articula para discutir uma resolução contra o regime sírio.

Segundo o correspondente da BBC, rebeldes sírios montaram postos de controle e parecem se movimentar livremente em alguns suburbios das cidades de Douma e Saqba.

'Massacre terrível'

Milhares de pessoas participaram do funeral de um manifestante morto na quinta-feira em Saqba.

Enquanto acompanhavam o cortejo, os manifestantes gritavam "Melhor morrer do que ser humilhado".

Boa parte da violência se concentra na cidade Homs. Ativistas relatam a morte de 30 pessoas na quinta-feira, na cidade.

Rami Abdul-Rahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos, baseado em Londres, classificou o ataque como um "massacre terrível".

Outras mortes foram contabilizadas na cidade de Homs, nesta sexta-feira, e na cidade de Hama, onde foram registrados fortes explosões e tiroteios.

Segundo ativistas, 135 pessoas morreram nos dois últimos dias do país.

De acordo com o general Dabi, cuja missão de observação foi estendida até fevereiro, a violência evoluiu para um "patamar significativo" nos últimos dias. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
alsosiriaviolencialiga arabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.