Liga Árabe pede a renúncia de Bashar Assad

Os países da Liga Árabe pediram ao presidente da Síria, Bashar Assad, que deixe o poder o mais rapidamente possível para pôr fim aos violentos distúrbios que tomam conta do país, afirmou na noite de ontem o emir do Catar, xeque Hamad bin Khalifa Al-Thani, depois de uma reunião do comitê ministerial da entidade em Doha.

DOHA, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2012 | 03h04

"Há um acordo sobre a necessidade de uma rápida renúncia do presidente Bashar Assad", disse o xeque a jornalistas depois da reunião.

Al-Thani pediu à oposição da Síria e ao Exército Sírio Livre (ESL) - formado por desertores e civis armados - para que formem um governo de transição.

"A oposição e o ESL estão sendo convocados a formar um governo de unidade nacional", declarou o xeque.

A Liga Árabe pediu que o presidente Assad tome uma decisão "valente" para salvar o seu país. "Ele pode deter a destruição e as matanças tomando uma decisão valente", afirmou Al-Thani, indicando que apenas um dos países do grupo (sem citar qual deles) expressou reservas sobre a posição adotada pelos demais participantes nas discussões em Doha.

O grupo, durante a reunião, também decidiu outorgar, por meio da Liga Árabe, uma ajuda de US$ 100 milhões aos refugiados sírios, disse Al-Thani, que ainda ocupa o cargo de ministro das Relações Exteriores do seu país. / DOW JONES NEWSWIRES e FRANCE PRESSE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.