Asmaa Waguih/Reuters
Asmaa Waguih/Reuters

Liga Árabe pede avanço no processo democrático egípcio

País vive confrontos violentos há três dias; órgão regional mostra-se preocupado com a situação

Agência Estado

21 de novembro de 2011 | 13h44

CAIRO - O chefe da Liga Árabe, Nabil Elaraby, pediu calma no Egito, onde já chegam ao terceiro dia os confrontos com mortes. Ele exortou todas as forças políticas a avançar com o processo democrático.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

Elaraby expressou sua "grande preocupação" sobre os conflitos com mortes na Praça Tahrir entre a polícia e os manifestantes que querem o fim do regime militar. Ele pediu, em um comunicado, "máxima moderação, salientando o direito de expressão e de manifestação pacífica".

 

Elaraby exortou todas as forças políticas "para trabalhar por um clima mais tranquilo, retornar ao processo político e avançar com a mudança democrática baseada nos princípios de liberdade, dignidade e justiça social na qual a revolução de 25 de janeiro foi fundada".

 

Desde sábado, a polícia e as forças militares no Egito usam cassetetes, gás lacrimogêneo e tiros de borracha para dispersar os manifestantes na Praça Tahrir. Centenas ficaram feridos.

 

O Egito vai realizar no dia próximo dia 28 suas primeiras eleições parlamentares desde que protestos encerraram o regime de 30 anos de Hosni Mubarak, pavimentando o caminho para os militares cederem o poder para uma autoridade civil. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.