Liga árabe pede que EUA resolvam impasse em assentamentos em um mês

Grupo apoia retirada dos palestinos das negociações com Israel caso construções continuem

Reuters,

08 de outubro de 2010 | 17h16

CAIRO - A Liga Árabe pediu aos EUA nesta sexta-feira,8, que encontrem a solução para o impasse dos assentamentos entre israelenses e palestinos dentro de um mês e defendeu que os americanos mantenham a pressão sobre Israel para o congelamento nas construções de colônias na Cisjordânia.

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo Idas e vindas das negociações

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

O grupo disse apoiar a decisão da Autoridade Palestina de interromper as negociações de paz com Israel enquanto a moratória na expansão de assentamentos na Cisjordânia não for retomada. 

 

A decisão foi tomada pelos ministros de Relações Exteriores dos países árabes, que cuidam da questão israelo-palestina.

 

Os palestinos e os EUA insistem que a expansão nos assentamentos sejam congeladas para salvar as negociações de paz, retomadas no mês passado.

Elas estavam paralisadas desde dezembro de 2009, quando o Israel realizou a Operação Chumbo Fundido na Faixa de Gaza e matou milhares de civis.

 

A cisão entre os grupos palestinos também prejudica as negociações. Em 2007, a Autoridade Palestina, facção secular liderada por Mahmoud Abbas, e o Hamas, movimento de resistência islâmica de inspiração religiosa, romperam o governo de coalizão que administrava os territórios palestinos.

Desde então, o Hamas - considerado por Israel e pelos EUA como uma organização terrorista - controla a Faixa de Gaza, e a Autoridade Palestina governa a Cisjordânia. O Hamas se nega a reconhecer o direito de existência de Israel e frequentemente lança foguetes contra o território judeu.

Leia ainda:

linkIsrael mata dois militantes do Hamas na Cisjordânia

linkAbbas ameaçou aos EUA deixar Autoridade Palestina, diz Haaretz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.