Reuters
Reuters

Liga Árabe pede reunião urgente com monitores da Síria

Forças de segurança continuam a matar manifestantes apesar da presença dos observadores

AE, Agência Estado

03 de janeiro de 2012 | 11h32

BEIRUTE - A Liga Árabe convocou nesta terça-feira, 3, uma reunião de emergência para discutir se retira seu grupo de monitores da Síria, onde forças de segurança continuam a matar manifestantes apesar da presença dos observadores, informou uma autoridade árabe.

A reunião vai acontecer sábado, no Cairo, onde fica a sede da Liga Árabe. O ministro de Relações Exteriores da França, Alain Juppé disse que o regime não deve ter permissão para interferir no trabalho dos observadores. "As condições nas quais a missão de observação está acontecendo precisam ser esclarecidas", disse ele à emissora de televisão I-Tele.

"Eles realmente têm completo e livre acesso às informações? Aguardamos o relatório que a missão vai apresentar nos próximos dias para ver as coisas mais claramente."

Ativistas relataram mais derramamento de sangue nesta terça-feira. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, sediado em Londres, disse que forças de segurança mataram a tiros três pessoas na cidade de Homs. Já os Comitês de Coordenação Locais apresentaram números mais altos, afirmando que forças de segurança mataram quatro pessoas em Homs, uma no subúrbio de Kfar Batna, nas proximidades de Damasco, e uma na província central de Hama.

O subsecretário-geral da Liga Árabe, Ahmed bin Heli, disse que a reunião de sábado vai analisar o primeiro relatório do líder da missão, que começou em 27 de dezembro.

Outra autoridade disse à Associated Press que a reunião ministerial vai discutir a retirada ou não dos monitores por causa da violência na Síria. Ele falou em condição de anonimato porque não está autorizado para falar com a mídia. Na reunião de sábado não será tomada a decisão final, mas as recomendações serão enviadas a outra reunião ministerial, de escalão superior, embora ainda não haja uma data para tal encontro.

 

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.