Liga Árabe prega união de oposicionistas sírios

Para secretário-geral, plano da ONU para formação de governo no país ficou aquém das expectativas

AE, Agência Estado

02 de julho de 2012 | 10h46

CAIRO - O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Elaraby, defendeu nesta segunda-feira, 2, que a fragmentada oposição síria se una pelo bem de seu país e afirmou que um plano da ONU para a formação de um governo transitório na Síria ficou aquém das expectativas.

A declaração foi feita durante um encontro inédito no Cairo, que reuniu quase 250 oposicionistas sírios.

"Há uma oportunidade, antes da conferência da oposição síria prevista para hoje, que deve ser aproveitada, e eu digo e repito que esta oportunidade não deve ser desperdiçada de forma alguma", disse Elaraby. "Os sacrifícios do povo sírio são maiores que nós e mais valiosos que quaisquer diferenças pequenas ou disputas entre facções."

Elaraby disse ainda que o novo plano do intermediador internacional do conflito sírio, o ex-secretário geral da ONU Kofi Annan, para a criação de um governo provisório não atendeu as expectativas dos árabes. O plano, aprovado durante uma conferência internacional ocorrida em Genebra no sábado, deixou a porta aberta, por insistência da Rússia, para a participação do presidente sírio Bashar Assad na administração interina.

Para Elaraby, o plano não agradou porque não estabelece um cronograma para "uma clara transição" na Síria, como havia sido proposto pela Liga.

A violência na Síria, que teve início em março do ano passado com um levante popular contra Assad, já deixou mais de 15,8 mil mortos no país, segundo as estimativas mais recentes do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres.

Rússia

O governo russo vai se reunir com dois grupos oposicionistas sírios e com Annan nos próximos dias, segundo a agência de notícias RIA Novosti.

O vice-ministro russo das Relações Exteriores, Mikhail Bogdanov, disse à agência que o líder oposicionista sírio Michel Kilo chega a Moscou esta semana, enquanto Abdulbaset Sieda, que recentemente assumiu o comando do Conselho Nacional da Síria, visitará a capital russa depois do dia 10 de julho.

Um diplomata russo, cujo nome não foi revelado, também disse à RIA que Annan deverá estar em Moscou em meados deste mês.

A Rússia é o principal aliado e fornecedor de armas da Síria.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SÍRIAOPOSIÇÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.