Liga Árabe quer nova estratégia para Israel e Irã

O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, afirmou durante uma reunião de cúpula do grupo na Líbia que as negociações de paz no Oriente Médio não podem ser um "processo sem restrições" e instou as lideranças da região a elaborar uma nova estratégia para pressionar Israel.

AE-AP, Agência Estado

27 de março de 2010 | 17h29

No início deste mês, as nações árabes abriram as portas para que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, participasse de negociações de paz indiretas com Israel, intermediadas pelos EUA. Posteriormente, no entanto, eles ameaçaram retirar o apoio às negociações devido aos anúncios do governo israelense de que pretende construir em áreas que os palestinos querem reivindicar para a formação de um novo Estado.

No discurso de abertura do encontro de dois dias, na cidade líbia de Sirte, Moussa ainda incitou as 22 nações a engajar o Irã nas discussões do bloco. Segundo ele, seu plano para estreitar os laços com o Irã deve envolver a criação de um fórum de cooperação regional e de resolução de conflitos, incluindo a Turquia e o Irã, duas nações não árabes.

A proposta de Moussa poderia minar os esforços norte-americanos e israelenses de isolar Teerã, em meio ao receio de que o país desenvolva armas atômicas. Além disso, coincide com os pedidos dos Estados Unidos e outros países ocidentais para aumentar as sanções ao Irã, por causa de seu programa nuclear. "Eu percebo que alguns estão preocupados com o Irã, mas é precisamente por isso que precisamos do diálogo", disse Moussa.

A iniciativa de se aproximar de Teerã sugere que as nações árabes estão cada vez menos dispostas a se alinhar com a estratégia norte-americana para o Irã, se perceberem que não terão uma contrapartida nos esforços de paz do Oriente Médio. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelIrãLiga Árabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.