Liga Árabe rejeita proposta síria de alteração de plano de paz

Damasco propôs reduzir de 500 para 40 o número de observadores internacionais..

BBC Brasil, BBC

20 de novembro de 2011 | 18h03

A Liga Árabe rejeitou neste domingo a proposta síria de alterar o plano proposto pela instituição para por fim ao conflito no país que já teria deixado pelo menos 3,5 mil mortos.

A Síria queria que o número de observadores a ser enviado ao país fosse reduzido de 500 para 40.

O papel dos observadores seria supervisionar a implementação do plano de paz, que prevê que o governo pare de atacar manifestantes, retire militares de áreas de tensão e comece negociações com a oposição.

Mas por meio de um comunicado a Liga Árabe disse que "foi concordado que as emendas e apêndices propostos pela Síria afetam o cerne do documento e iriam mudar radicalmente a natureza da missão, que é observar a implementação do plano árabe para acabar com a crise na Síria e proteger os civis sírios".

Reagindo ao comunicado, o ministro das Relações Exteriores sírio, Walid al-Muallem, disse que o país havia aceito a proposta árabe com "pequenas mudanças" para garantir a soberania síria.

Muallen disse que seriam necessárias discussões "lentas e constantes" e alertou contra "reações exageradas".

Ele disse ainda que alguns países árabes estariam usando a Liga como "ferramenta" para envolver o Conselho de Segurança da ONU na crise.

Um ultimato dado pela Liga Árabe ao país para o fim da repressão violenta dos protestos anti-governo terminou na noite de sábado, mas não há sinais de que os confrontos estejam diminuindo.

Em entrevista ao jornal britânico Sunday Times, o presidente sírio, Bashar al-Assad, disse que a unidade e a estabilidade na Síria estão em risco.

Ele disse que seu país não vai se curvar diante da pressão internacional e que vai continuar enfrentando as "gangues armadas" que, segundo ele, vêm gerando violência nas ruas.

Na entrevista ao Sunday Times, Assad acusou a Liga Árabe de criar um pretexto para uma invasão ocidental em seu país, o que, segundo ele, criaria um "terremoto" no Oriente Médio. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.