Ligação entre ataque à ONU e Al-Qaeda é duvidosa

Um novo grupo assumiu a autoria do atentado da semana passada contra a sede da ONU em Bagdá, ao publicar a reivindicação em uma página da internet normalmente utilizada para a divulgação do pensamento político no mundo islâmico. A declaração é assinada pelas Brigadas Abu Hafs el-Masri. O grupo leva em seu nome o apelido de Mohammed Atef, principal assessor de Bin Laden, morto durante um ataque aéreo no Afeganistão. Não se sabe se o grupo realmente existe, nem se está ligado à rede extremista Al-Qaeda, liderada por Bin Laden. A declaração também foi citada nesta segunda-feira pelo jornal Al-Hayat, editado em árabe e publicado em Londres.Em Washington, funcionários do governo americano disseram ser incapazes de confirmar a veracidade da alegação. A reivindicação foi publicada pela primeira vez no domingo na página do grupo dissidente saudita Movimento Saad al-Faghi pela Reforma Islâmica na Arábia, estabelecido em Londres. O movimento excluiu a mensagem hoje, mas ela voltou a ser publicada em seguida, já que seu sistema funciona como o de uma sala de bate-papo. O grupo informou que continuará excluindo mensagens consideradas ofensivas ou que careçam de autenticidade. "Nós promovemos duas operações: uma no Afeganistão e outra no Iraque", diz a declaração com data de 19 de agosto, dia do atentado contra a ONU.Na semana passada, dois grupos reivindicaram a autoria do mesmo atentado: as "Vanguardas Armadas do Segundo Exército de Maomé" e o "Exército de Maomé".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.