Patrick Cashin/Reuters
Patrick Cashin/Reuters

Linhas de metrô e aeroportos passam a operar parcialmente

Prefeitura de Nova York suspende tarifas para estimular uso do transporte coletivo; ainda há moradores sem luz

Gustavo Chacra, correspondente em Nova York,

01 de novembro de 2012 | 22h42

NOVA YORK - Com 93 mortos, segundo a agência Reuters, em toda a Costa Leste dos EUA depois da passagem do furacão Sandy, que se transformou em tempestade extratropical ao atingir o continente, Nova York, ainda meio caótica, conseguiu restabelecer parte do serviço de metrô nesta sexta-feira, 1, facilitando a circulação da população. Algumas áreas da cidade, no entanto, permanecem sem energia elétrica.

Ligando Manhattan a Queens e Bronx, as linhas de metrô ao norte da Rua 42, área mais movimentada de Nova York e onde estão Times Square e Grand Central Station, voltaram a funcionar, embora tenham sido registrados alguns problemas. Para compensar, a prefeitura suspendeu as tarifas de transporte coletivo.

O sul da ilha de Manhattan, onde se localizam bairros residenciais luxuosos, como o West Village e Tribeca, além do distrito financeiro, permaneciam sem eletricidade em vários quarteirões. Algumas estações de metrô ainda estavam alagadas. Muitos moradores da região não conseguiam retornar para suas casas e optaram por permanecer em hotéis e apartamentos de amigos.

Reconstrução

A conexão com o Brooklyn era um dos maiores problemas. Embora os metrôs da região funcionassem, não era possível chegar a Manhattan. Muitos habitantes optavam por cruzar as pontes a pé, pegando ônibus do outro lado, até chegar à Rua 42.

Os táxis funcionaram como lotações e o trânsito seguia congestionado em muitas avenidas. Os túneis sob o Rio Hudson, ligando Nova York a New Jersey, permaneciam fechados.

Os aeroportos JFK, La Guardia e Newark funcionaram limitadamente. São esperados para este fim de semana dezenas de milhares de visitantes, incluindo brasileiros, para correr ou acompanhar a maratona de Nova York. Dos 47 mil competidores, 20 mil são estrangeiros. Durante toda a tarde, o prefeito Michael Bloomberg recebeu duras críticas da imprensa por não ter cancelado a prova.

Brasileiros

Em Mount Vernon, uma pequena cidade com 8 mil brasileiros no subúrbio de Nova York, a situação aos poucos se normalizava. "Tivemos muitos assaltos depois da passagem do furacão", disse Claudineia Cardinali.

O foco principal dos trabalhos de reconstrução ontem estava em New Jersey, Estado mais atingido pelo Sandy. Mais de 1,7 milhão de habitantes permaneciam sem energia elétrica e grande parte da orla foi destruída. 

Tudo o que sabemos sobre:
furacão SandyNova YorkManhattan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.