Lionel livra-se de perpétua por crime cometido aos 12 anos

Um adolescente foi condenado por assassinato em segundo grau de uma amiguinha de 6 anos, pondo um ponto final num caso que provocou debate nacional sobre o tratamento que a Flórida dá aos criminosos juvenis.Lionel Tate tornou-se o mais jovem réu dos Estados Unidos a ser condenado à prisão perpétua, mas uma corte de apelação suspendeu a sentença de assassinato em primeiro grau, no mês passado, alegando que a capacidade de Tate deveria ter sido avaliada antes de seu julgamento. Ele tinha 12 anos quando Tiffany Eunick foi morta, em 1999.Lionel, que fez 17 anos hoje, não quis falar ao tribunal mas ofereceu-se, através de seu advogado, para encontrar a mãe de Tiffany.Deweese Eunick-Paul dissera ao tribunal, antes, que Lionel havia cometido um "crime brutal?, mas ela o perdoava.?Não foi uma brincadeira de criança. Não foi uma brincadeira violenta. Foi um crime brutal?, disse a mãe de Tiffany. ?Eu acredito firmemente em Deus e acredito no perdão. Tanto eu acredito em Deus que eu o perdoei, Lionel. Eu perdoei Lionel por ter matado brutalmente minha filha.?Lionel, que usava um terno marrom claro e camisa com colarinho aberto, não demonstrou reação ao ouvi-la.Durante o julgamento, ele alegou que matara Tiffany acidentalmente quando imitava lutadores profissionais que havia visto na televisão. Agora, diz que pulou de uma escada e acidentalmente caiu sobre seu peito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.