REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

Lista de tarefas do estrategista-chefe de Trump é ‘revelada’ em fotos nas redes sociais

Rabino Shmuley Boteach se encontrou com Stephen Bannon e quis registrar o momento; ao compartilhar as imagens no Twitter, os internautas notaram que havia algo importante ao fundo

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 16h16

Antes de ter suas decisões bloqueadas no Congresso ou por juízes, as iniciativas políticas do presidente dos EUA, Donald Trump, são apenas itens escritos em um quadro no gabinete do estrategista-chefe do mandatário, Stephen Bannon. Ao menos essa foi a didática sugerida por algumas fotos compartilhadas nas redes sociais nesta semana.

Segundo informações do jornal britânico The Guardian, Shmuley Boteach, o rabino e ex-candidato republicano ao Congresso, posou para fotos ao lado de Bannon, durante uma visita ao estrategista para marcar o aniversário da declaração de independência de Israel. O que o funcionário de Trump não percebeu foi que o momento foi registrado com sua lista de tarefas ao fundo.

As imagens foram publicadas no Twitter de Boteach, enquanto o líder dos EUA destacava que seus primeiros 100 dias na liderança da Casa Branca haviam sido os mais produtivos na história presidencial americana.

Muitos dos itens mencionados na lista já haviam sido descritos anteriormente por repórteres, mas não vistos publicamente.

Ainda de acordo com o Guardian, alguns pontos mencionavam “suspender imigração de regiões propensas ao terror” e “suspender o programa de refugiados sírios”. As decisões de Trump de impedir a entrada de refugiados e viajantes oriundos de países de maioria muçulmana foram bloqueadas por um juiz federal no fim de março.

No setor de saúde, uma das prioridades na lista de Bannon era “revogar e substituir o Obamacare”. Nesta quinta-feira, 4, a Câmara dos Deputados aprovou essa lei. Os legisladores republicanos conseguiram 217 votos para aprovar o projeto, apenas um voto a mais do que os 216 necessários. A iniciativa será enviada ao Senado, onde deverá sofrer grandes mudanças antes de ser submetida ao voto na próxima semana.

Quanto à economia, estão “reduzir os impostos corporativos” e “eliminar o imposto imobiliário”. Também constam na lista “cancelar os fundos federais para as cidades-santuário” e “contratar mais 5 mil agentes de patrulha da fronteira”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.