Wojtek Jargilo/Poland Out via EFE/EPA
Wojtek Jargilo/Poland Out via EFE/EPA

Lituânia vai pagar mil euros para imigrantes voltarem aos seus países de origem

Governo também vai oferecer passagens de avião; dinheiro provém de fundos oferecidos pela Comissão Europeia para a crise na fronteira

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2021 | 16h37

VILNIUS - A Lituânia anunciou nesta quinta-feira, 9, que vai oferecer assistência monetária a imigrantes em sua fronteira para motivá-los a voltar a seus países de origem, enquanto se esforça para repatriá-los aos milhares.

Cada migrante que decidir voltar voluntariamente ao seu país receberá mil euros (cerca de R$ 6,3 mil), ao invés dos 300 que eram oferecidos anteriormente, e também a passagem de avião para concretizar a operação.

"Após recusar a maior parte das solicitações de asilo, precisamos de soluções para fazer os migrantes voltarem a seus países de origem", disse à Agência France-Presse a ministra do Interior, Agne Bilotaite. "Esperamos que este montante mais elevado faça aumentar o número de migrantes que voltam de forma voluntária", acrescentou.

O dinheiro para incentivar os migrantes a deixarem a Lituânia provém de fundos oferecidos pela Comissão Europeia para ajudar a enfrentar a crise na fronteira do país.

Desde o verão passado no hemisfério norte, milhares de migrantes, sobretudo procedentes do Oriente Médio, cruzaram ou tentam cruzar a a fronteira leste da UE, a partir de Belarus,  com destino a Letônia, Lituânia ou Polônia.

O Ocidente acusa Belarus de ter orquestrado esta crise, ao direcionar os migrantes para a fronteira europeia, dando-lhes vistos e com a promessa de que ultrapassá-la seria fácil, em represália às sanções impostas pela UE, o que Minsk nega.

Até o momento, a Lituânia concedeu o status de refugiado a apenas 54 dos 3.272 migrantes que o solicitaram. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.