Livni diz que acordo no Líbano deve incluir libertação dos soldados sequestrados

A ministra do exterior de Israel, Tzipi Livni, disse nesta segunda-feira que a resolução do conflito no Líbano deve incluir a libertação dos dois soldados israelenses seqüestrados pelo Hezbollah.O seqüestro do dia 12 de julho "foi o começo dessa questão toda", afirmou Livni em Berlin, após se encontrar com o ministro do exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier. "Do nosso lado, até que a questão dos dois soldados seja resolvida, todo o resto tem pouca significância. Nossa soberania foi infringida e se essa resolução não for tão boa, continuaremos tendo esse problema", disse a ministra. As guerrilhas do Hezbollah mataram três soldados israelenses e seqüestraram outros dois em um ataque dentro do território israelense em 12 de julho, incitando um conflito de 34 dias que terminou no dia 14 de agosto.As Nações Unidas estão criando uma força de paz, sob a resolução 1701 para manter o cessar-fogo e permitir o governo libanês a tomar o controle da área. "Muitas pessoas em Israel se perguntam quando[...]os soldados seqüestrados voltarão para casa", afirmou Livni. "Toda uma nação espera os soldados voltarem para casa." Steinmeier disse entender "o significado que a libertação dos soldados tem em Israel e para Israel".Mas o ministro negou a informação de que de que funcionários alemães já estavam fazendo contatos pra libertá-los. A Alemanha tem um histórico de mediação entre Israel e o Hezbollah, no que diz respeito à troca de prisioneiros. "Não houve pedido nem do lado israelense, nem do libanês", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.