Livni já admite atuar na oposição em Israel

Três dias depois das eleições - e com 100% dos votos apurados -, os israelenses ainda não sabem como será o novo governo. As negociações políticas avançam e parecem indicar que quem levará a melhor é o ex-premiê Binyamin ?Bibi? Netanyahu, líder do partido de direita Likud, que ficou em segundo lugar, com 27 das 120 cadeiras do Parlamento. Assessores da sua rival, a chanceler Tzipi Livni, do partido de centro Kadima, admitiram que ela considera seriamente desistir da disputa e ficar na oposição. A decisão abriria caminho para Bibi ser o novo premiê, apesar de o Kadima ter conseguido 28 cadeiras no Parlamento.Livni teria chegado à conclusão de que não conseguiria formar uma coalizão viável. Seus parceiros ?naturais? - o Partido Trabalhista e o esquerdista Meretz (com 16 cadeiras ao todo) - avisaram que não fecharão acordo com ninguém. Ela precisaria das 15 cadeiras do partido de extrema direita Israel Beiteinu, de Avigdor Lieberman, para alcançar a maioria na casa (61 cadeiras). Lieberman encontrou-se tanto com Livni quanto com Bibi, mas não divulgou quem apoiará. Cabe ao presidente Shimon Peres apontar quem montará o próximo governo depois de receber a indicação dos líderes das bancadas, o que deve ocorrer no domingo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.