Livro afirma que CIA não queria a morte de Che Guevara

Um livro que será publicado na próxima semana na Itália e que recorre a documentos americanos desclassificados afirma que a CIA não queria a morte do revolucionário Ernesto Che Guevara, segundo a edição deste domingo do jornal Corriere della Sera. Che Guevara. Top Secret é o título da obra do escritor e jornalista Vincenzo Vasile e do pesquisador Mario J. Cereghino, que chegará às livrarias na próxima quarta-feira. Os autores do livro tiveram acesso a documentos desclassificados pelo Congresso americano durante a Presidência de Bill Clinton. Tais documentos "revelam que a CIA queria evitar que a aventura insurrecta de Ernesto Che Guevara na Bolívia terminasse com sua morte", segundo o jornal. Assim, "Washington tinha pedido com energia ao Governo de La Paz que agisse de modo que se mantivesse o revolucionário vivo ´a qualquer custo´ para evitar que a Administração americana fosse acusada de sua morte". No entanto, a sugestão não foi aceita e, após sua captura na serra boliviana, "Che" foi executado em 9 de outubro de 1967.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.