Livro conta segredos da Al-Qaeda e estimula combatê-la

Após ter sido membro da facção e espião para serviços secretos europeus, marroquino tenta reunir "toda informação possível" para prevenir atentados

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

O livro Inside the Jihad: My Life With Al Qaeda: A Spy´s Story, que chegou na sexta-feira, 16, às livrarias da Espanha, promete desvendar todos segredos da rede terrorista de Osama Bin Laden e propor medidas para combatê-la.O relato de 384 páginas foi escrito por Omar Nasiri, um ex-membro da organização extremista que trabalhou para serviços secretos ocidentais entre 1994 e 2000, como o francês DGSE e os ingleses MI5 e MI6.O autor acredita que para prevenir futuros atentados da Al-Qaeda é importante "reunir toda a informação" possível."Segundo as normas dos Mujahedin, caso não se possa atacar diretamente o objetivo porque ele está escondido entre a população, a ação será realizada e Deus acolherá às vítimas no paraíso", afirmou o escritor à Efe."Isto é o que passa pela cabeça desta gente quando ataca", disse Omar Nasiri, pseudônimo do autor.Nasiri nasceu no Marrocos e emigrou para Bruxelas junto de sua família. Tuberculoso, foi afastado temporariamente dos parentes para o tratamento em um centro cristão especial. A dupla educação que recebeu, ocidental no colégio e muçulmana em casa, foi vital para que ele se movimentasse facilmente entre ambas as culturas.A militância na Al-Qaeda teve início dentro da casa de sua família materna, palco de reuniões constantes do Grupo Islâmico Armado na Bélgica, que surgiu após a vitória eleitoral dos muçulmanos da Frente Islâmica de Salvação por um golpe de estado na Argélia, em 1992.Por razões econômicas, Nasiri desertou e começou a colaborar com os serviços secretos franceses, britânicos e alemães, segundo narra no livro.O autor, que se formou como mujahedin nos campos de treinamento do Afeganistão, afirma que o estudo do Corão é "mais importante" que o treinamento físico: "a religião justifica as ações".Segundo Nasiri, as leis dos Mujahedin, que esclarecem os tipos de comportamento a seguir, emanam do Corão e uma das normas é "alertar previamente o inimigo que vai ser atacado".O ex-membro disse que, em 1993, as Torres Gêmeas do World Trade Center de Nova York já haviam sido alvo de um atentado terrorista.Na ocasião, um grupo extremista islâmico colocou uma bomba em uma das garagens do edifício que causou seis mortos e mais de mil feridos."Antes que os Mujahedin atacassem as Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001, foi enviado um vídeo em que se alertava o inimigo sobre o roubo de petróleo dos países árabes. Ninguém deu importância ao fato. Alguns anos depois, houve o primeiro ataque de grande magnitude em solo americano", afirmou Nasiri.Segundo o autor, o Corão voltou a alertar sobre a possibilidade do atentado, mas ninguém interpretou os sinais do livro sagrado dos muçulmanos como reais.Antes dos atentados contra as Torres Gêmeas de Nova York, Nasiri afirmou que foi interrogado por um agente britânico sobre o próximo alvo dos terroristas. Num piscar de olhos, respondeu: "o World Trade Center.""Quando você aprende as leis da Jihad você sabe perfeitamente quais são os objetivos e quais não são", disse."As Torres Gêmeas foram atacadas pelo que representavam: o centro do poder econômico do inimigo", acrescentou o ex-agente.Qualificou de "impossível" a hipotética autoria da organização terrorista basca ETA pelos atentados de 11 de março de 2004 em Madri: "Se você conhece as normas da Jihad, você sabe como se trabalha e quais são os objetivos", afirmou.Nasiri disse que a existência de uma "infra-estrutura" dos muçulmanos na Alemanha explica o porquê de não haver atentados no país, apesar de que em agosto de 2006 foram achadas duas bombas em trens regionais que não chegaram a explodir.A Al-Qaeda, concluiu o ex-agente, é só "um dos grupos que está realizando a Jihad (guerra santa), mas há muitos outros que estão se unindo a ela ao ver o sucesso de suas missões".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.