Livro de documentos vazados é criminoso, diz Vaticano

O Vaticano denunciou como "criminoso" um novo livro com documentos internos vazados que mostram as lutas de poder dentro da Santa Sé e os trabalhos internos de seu banco, e alertou que poderia tomar medidas legais contra os responsáveis pela publicação.

AE, Agência Estado

19 Maio 2012 | 20h49

O livro "Sua Santidade", do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, foi lançado neste sábado e reproduz cartas e memorandos de conversas entre papa Bento 16 e seu secretário pessoal. O Vaticano disse que houve violação do direito de privacidade do papa.

Bento 16 já indicou uma comissão de cardeais para investigar o escândalo do "Vatileaks", que surgiu no início deste ano com a publicação de memorandos alegando corrupção e má administração dos assuntos da Santa Sé e disputas internas sobre os esforços para cumprir normas contra a lavagem de dinheiro. O livro de Nuzzi foi acrescentou mais polêmica ao assunto. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Vaticano livro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.