AFP PHOTO / Henry Holt and Company  & GETTY IMAGES NORTH AMERICA AND Getty Images for New York Magazine / Ben GABBE
AFP PHOTO / Henry Holt and Company & GETTY IMAGES NORTH AMERICA AND Getty Images for New York Magazine / Ben GABBE

Autor antecipa estreia de livro sobre Trump e diz que aliados questionam o presidente

'Cem por cento de quem o cerca, até Jared Kushner, seu genro, e Ivanka Trump, sua filha, contestam sua capacidade para governar', diz Michael Wolff

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 10h07

WASHINGTON - O lançamento do livro de Michael Wolff sobre a Casa Branca, previsto para a próxima semana, foi antecipado para esta sexta-feira, 5, apesar das tentativas do presidente americano, Donald Trump, de evitar a publicação que, segundo ele, "está cheia de mentiras". Em uma entrevista para promover o livro, Wolff disse que quase todas as pessoas que convivem com Trump questionam sua capacidade para governar. Em algumas livrarias, o livro se esgotou rapidamente. 

Congressistas americanos consultam especialistas sobre saúde mental de Trump

Trump mobilizou seus advogados para impedir a publicação do livro sobre o seu primeiro ano na Casa Branca, que motivou o rompimento público com o ex-chefe de Estratégia de seu governo, Steve Bannon.

O presidente afirmou que o livro está cheio de mentiras e tem como base fontes que não existem. "Não autorizei nenhum acesso à Casa Branca (de fato, disse não várias vezes) ao autor deste livro falso! Nunca falei com ele para o livro", assegurou no Twitter, se referindo a Wolff.

O autor, por sua vez,  afirmou ter falado por três horas com o magnata antes e depois de sua eleição para poder escrever o livro. "Falei com o presidente, se ele se deu conta de que era uma entrevista ou não, não sei, mas não estava em 'off'" (algo a ser mantido em sigilo), apesar de o presidente ter escrito na quinta à noite em seu Twitter que "nunca falou para um livro".

"Cem por cento de quem o cerca, até Jared Kushner, seu genro, e Ivanka Trump, sua filha, questionam sua capacidade para governar", declarou Wolff à rede NBC.

"Todos o descreveram da mesma maneira; dizem que é como um menino, ou seja, que precisa de gratificação imediata, e tudo gira em torno dele", indicou o autor do livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House" (Fogo e fúria na Casa Branca de Trump, em tradução livre), que foi convidado para o famoso programa matutino "The Today Show".

"Dizem que é um imbecil, um idiota", acrescentou o escritor, que garante ter entrevistado fontes que convivem de perto com o presidente todos os dias.

O livro "Fire e fury: inside the Trump White House" (Fogo e fúria: dentro da Casa Blanca de Trump, em tradução livre), já circulava nas redações em Washington desde quinta-feira e foi escrito com base em cerca de 200 entrevistas com funcionários do governo e mostra uma Casa Branca imersa em uma caótica e permanente guerra interna ao longo do ano passado.

Steve Bannon acusa assessores do presidente dos EUA de ‘traição’

Em nome de Trump, um escritório de advocacia enviou uma carta de 11 páginas ao autor e à editora que publica o livro, solicitando a suspensão da publicação e distribuição da obra.

Na carta, os advogados do presidente afirmam que "o senhor Trump exige que seja interrompida e evitem qualquer publicação, divulgação, ou distribuição do livro" e, além disso, pede que os responsáveis publiquem "uma retratação plena e completa, bem como um pedido de desculpas".

"Por favor, também envie imediatamente uma cópia eletrônica do livro (...) e via mensageiro uma cópia do livro físico a este escritório para que possamos avaliar adequadamente as declarações contidas", acrescentaram os advogados do presidente à editora.

No entanto, o autor do livro, Michael Wolff, publicou na quinta-feira um longo artigo na edição eletrônica da Hollywood Reporter, que já no título deixa clara a sua opinião sobre o que viu: "My year inside Trump's insane White House" (Meu ano dentro da insana Casa Branca de Trump, em tradução livre).

A obra deveria chegar ao mercado na semana que vem, mas por conta deste escândalo, já é o livro com maior volume de compra antecipada no site da Amazon.

Bannon, chamado ao silêncio

A divulgação, na quarta-feira, de trechos do livro provocou um rompimento público de Trump com o polêmico Bannon, que foi um dos coordenadores de sua campanha eleitoral e durante pouco mais de seis meses foi o estrategista-chefe da Casa Branca.

Bannon, que renunciou ao cargo em agosto, fez declarações explosivas a Wolff. Em particular, afirma que o filho mais velho de Trump, Donald Trump Jr., cometeu "traição" por seus contatos com pessoas próximas à Rússia durante a campanha e seus negócios obscuros, denúncias que levaram a uma explosão de raiva do presidente.

Em uma furiosa nota oficial, Trump afirmou, também na quarta, que Bannon havia perdido o juízo desde que foi demitido da Casa Branca por vazar "notícias falsas" à imprensa.

Advogados do presidente também enviaram uma notificação legal a Bannon para alertá-lo de que poderia enfrentar um processo criminal por violar um acordo de confidencialidade depois de deixar de trabalhar na Casa Branca.

Um 'grande homem'

Na quinta-feira, Bannon buscou amenizar a tensão com seu ex-chefe e, em uma entrevista de rádio, disse que Trump é "um grande homem". "Eu o apoio incansavelmente, seja em viagem pelo país (...), na rádio, ou na Internet", declarou à rádio Sirius XM.

Em seu artigo de quinta sobre o conteúdo de seu livro e sua experiência na Casa Branca, Wolff descreve um cenário caótico na presidência, com reuniões aos gritos e vazamentos à imprensa para eliminar adversários na disputa pelo poder.

Segundo Wolff, a filha de Trump e seu marido, Ivanka Trump e Jared Kushner, são os que realmente têm as rédeas da Casa Branca, e são os responsáveis pelas renúncias de Bannon e do primeiro chefe de Gabinete, Reince Priebus.

O artigo descreve Trump com um homem incapaz de controlar a Casa Branca, que se repete constantemente, para desespero de seus parentes, e tem dificuldades de reconhecer seus próprios velhos amigos.

Para conter os vazamentos, a Casa Branca anunciou que a desde quinta-feira será proibido o uso de celulares pessoais na Ala Oeste, área operacional da presidência e centro do poder dos Estados Unidos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.