Lixo que é bomba-relógio

Um Estado pode muito bem sucumbir a uma revolução ou uma guerra perdida. Mas seria algo concebível ele acabar afogado sob uma maré de lixo doméstico? É o que um número cada vez maior de libaneses teme. O que era uma lamentável falha do serviço de coleta de lixo tornou-se uma verdadeira bomba-relógio ameaçando não só as últimas estruturas ainda de pé do Estado libanês, como também a estabilidade e a segurança pública.

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2015 | 02h04

Em 17 de julho expirou o contrato firmado havia 20 anos com a empresa Sukleen, encarregada da coleta e tratamento do lixo em Beirute e no Monte Líbano. Mas não foi prevista nenhuma medida para uma substituição pelo governo, praticamente paralisado. O serviço não foi retomado pela recusa de uma parte dos ministros, representando o Hezbollah e seu aliado cristão, o bloco de Michel Aoun, a qualquer iniciativa governamental na ausência de um mecanismo sistematizando as tomadas de decisão do Executivo - que assume as prerrogativas do presidente da República que o Parlamento não consegue eleger há 15 meses.

Com a suspensão das operações da empresa Sukleen, montanhas de detritos não tardaram a invadir as ruas de Beirute e de outras cidades. A invasão pestilenta ofereceu um espetáculo deprimente de regiões defendendo tenazmente sua modesta integridade territorial face às tentativas desesperadas dos responsáveis para criar novos aterros públicos. Depois de barrar a entrada de lixo de outros, algumas localidades chegaram a despachar clandestinamente, à noite, seu lixo para o vizinho, a bordo de caminhões fretados.

oi no fim de semana passado que a pequena guerra do lixo chegou à rua e isso por convocação de várias associações civis - a mais importante levando o nome de "Vous puez! (vocês fedem!)". Uma exclamação que se endereça a uma classe política considerada incompetente e corrupta.

Inúmeros cidadãos de todos os grupos sociais e religiosos se reuniram no centro da cidade de Beirute para uma manifestação pacífica, mas e chegando a lançar coquetéis molotov contra a polícia que, com canhões d'água e gás lacrimogêneo, impedia os manifestantes de invadir a presidência do Conselho.

Num país onde a energia elétrica continua racionada 20 anos depois da guerra e onde os escândalos financeiros são inúmeros, é a primeira vez, após muito tempo, que a sociedade civil libanesa se faz ouvir com um tal vigor para exprimir seu desprezo por um establishment político imobilizado há décadas na sua mediocridade. Claro, vários partidos políticos e líderes tradicionais procuraram (e continuarão procurando) usar em seu benefício essa cólera popular. Mas é evidente que alguma coisa se rompeu para sempre entre uma minoria relevante de cidadãos e as clássicas instâncias que dominam a vida pública.

Um dia após ter confiado a coleta de lixo, por via de adjudicação, a seis empresas, o conselho de ministros teve de anular os acordos pela cólera popular provocada pela notícia de que essas seis companhias desfrutavam da proteção de personagens políticos de diversas tendências que dividiram o bolo e tiveram autorização para cobrar tarifas abusivas.

Então, o governo propôs à Província de Akkar um programa de desenvolvimento de US$ 100 milhões se aceitasse receber um carregamento gigante de lixo. A oferta foi rejeitada pelos habitantes. Seu slogan? "Akkar não é lata de lixo." / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É COLUNISTA DO 'ESTADO' E DIRETOR DO JORNAL DE BEIRUTE 'L'ORIENT-LE JOUR'

ISSA

GORAIEB

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.