AP Photo/Alex Brandon, File
AP Photo/Alex Brandon, File

Lobistas sauditas reservaram quartos em hotel de Trump

Grupo gastou US$ 217 mil com 500 diárias para veteranos americanos que faziam lobby para a Arábia Saudita

O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2018 | 21h07

WASHINGTON - Lobistas que representavam o governo saudita reservaram vários quartos no hotel do presidente Donald Trump em Washington logo após sua eleição, em 2016, pagando cerca de 500 noites em apenas três meses, revelaram as pessoas que organizaram as viagens e documentos obtidos pelo jornal Washington Post.

Na ocasião, os lobistas gastaram US$ 217 mil reservando os quartos na capital como parte de uma campanha pouco ortodoxa que ofereceu a veteranos militares americanos uma viagem grátis a Washington – e uma visita ao Capitólio para fazer lobby contra leis antiterrorismo que afetavam a Arábia Saudita. 

Ao todo, os lobistas gastaram mais de US$ 270 mil para abrigar seis grupos de veteranos no Hotel Internacional Trump, que ainda pertence ao presidente. Essas reservas foram alvo de várias denúncias federais, alegando que Trump violara a Constituição ao receber pagamentos inapropriados de governos estrangeiros. 

+ Relatórios mostram que edifícios de Trump estão se desvalorizando

Lobby ilegal. Durante esse período, segundo os documentos, a média da diária do hotel era de US$ 768. Os lobistas que organizaram as viagens disseram que escolheram o hotel de Trump porque ele ofereceu um desconto e tinha quartos disponíveis e negaram qualquer intenção de bajular o presidente americano.

Alguns dos veteranos que estiveram hospedados em Washington dizem que se sentiram duplamente usados: pelos sauditas e por Trump. “Fez todo o sentido do mundo quando descobrimos que os sauditas tinham feito o pagamento”, disse Henry Garcia, veterano da Marinha, de San Antonio, que participou de três viagens. Ele garantiu que os organizadores nunca revelaram que a Arábia Saudita estava por trás dos convites.

A empresa de Washington Qorvis/MSLGroup, que representa o governo saudita nos EUA, pagou aos organizadores das viagens. A empresa não quis comentar o caso e a Embaixada da Arábia Saudita nos EUA não respondeu às perguntas enviadas pelo Washington Post. Os executivos do hotel de Trump disseram que não sabiam que os sauditas estavam pagando os gastos. / NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.