Localização atrai investimentos brasileiros ao país

A Vale do Rio Doce escolheu Omã como base de suas operações no Oriente Médio, entre outros fatores, pela localização estratégica do país e o excelente porto de águas profundas em Sohar. Com um investimento de US$ 1,4 bilhão, a empresa brasileira iniciou a construção de um terminal portuário e de uma usina com capacidade para produzir 10 milhões de pelotas de minério de ferro por ano.O objetivo é usar Sohar como base portuária para a distribuição das pelotas e do minério de ferro da Vale na região, onde o desenvolvimento da infraestrutura e da construção civil são os principais responsáveis pela demanda de aço nos países do Golfo Pérsico.A posição estratégica do porto, porém, não é o único motivo que levou a empresa a Omã. Para o diretor da Vale em Muscat, Sergio Leite, "o país tem uma geopolítica estável". Além disso, a relação com as autoridades locais "é harmoniosa", diz Leite, que já viveu no Irã, na China e elogia a vida em Muscat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.