Reuters
Reuters

Loira que jantou com capitão do Costa Concordia é encontrada

Jovem admitiu que estava com capitão no momento da colisão que abriu fenda de 70 metros no casco do navio

19 de janeiro de 2012 | 13h56

ROMA - As autoridades procuravam uma mulher de cerca de 25 anos, que estava sentada na sala ao lado do comando do Costa Concordia e que acompanhava, através dos vidros da janela, as manobras do capitão Francesco Schettino.

 

Veja também:
som OUÇA: 
Capitão recebe ordens de voltar para o barco
blog RADAR GLOBAL: 'Volte a bordo, c...!' vira camiseta na Itália
tabela ESPECIAL: O naufrágio do Costa Concordia

 

Chamada Dominika Cermortan, ela apareceu nesta quinta-feira, 19, no canal de televisão moldávio "Journal TV", onde indicou que fazia parte da tripulação.

A jovem admitiu que jantava com o capitão no momento da colisão contra as formações rochosas que abriram no casco do navio uma fenda de 70 metros.

Além disso, defendeu a operação de Schettino que, segundo ela, 'salvou milhares de pessoas'. "Acho que ele desenvolveu um trabalho extraordinário. Toda a tripulação é solidária com ele e acredita que ele salvou mais de 3 mil pessoas", afirmou, segundo reportou a imprensa italiana.

Dominika conseguiu alcançar um bote salva-vidas e, segundo ela, ajudou outras pessoas. "Fique feliz por ter salvado pessoas", afirmou aos meios de comunicação moldávios.

A Promotoria de Grosseto, que abriu a investigação sobre o naufrágio, precisa interrogar a jovem para reconstituir a sequência dos fatos ocorridos na ponte de comando na madrugada de 13 para 14 de janeiro, quando ocorreu o naufrágio.

As autoridades também querem saber o que a jovem fazia no cruzeiro, já que não aparece nem na lista de passageiros, nem na da tripulação.

 

'Não fumo, não bebo, não me drogo'

 

Apesar de ter passado o tempo ideal para a aplicação do teste de álcool em Schettino, quando foi submetido aos exames toxicológicos, afirmou: "Não fumo, não bebo, não me drogo".

Schettino, o 'capitão covarde', como é chamado por muitos, colocou a Itália nas capas dos jornais em uma posição vergonhosa, segundo os analistas, que insistem na proibição das 'saudações' dos cruzeiros italianos que se aproximam tanto da costa, pondo os navios em perigo.

O governo italiano já antecipou que vai proibir este costume no tráfego marítimo do país, considerado 'um negócio muito importante'.

Enquanto isso, o capitão do navio chegou escoltado por carabineiros na quarta-feira a seu povoado, Meta di Sorrento (Campana), onde foi recebido por multidões, já que é considerado um herói.

Lá, além de família e amigos, era esperado por sua mulher, Fabiola Russo, que gritou aos repórteres: "Desgraçados!".

A população local apoia seu capitão e há até quem defenda o abandono do navio por Schettino quando ainda restavam passageiros à espera de serem evacuados.

"Ele não fugiu, desceu apenas para avaliar os danos. Além disso, evitou uma tragédia, poderia ter sido pior", afirmou seu cunhado, Maurilio Russo.

Até o pároco do povoado, Don Gennaro, que nos próximos dias irá visitar o capitão para expressar sua solidariedade, considerou que Schettino foi "massacrado".

O capitão, que abandonou o navio a sua própria sorte uma hora depois do acidente e que ao chegar a terra firme ligou para a mãe, para depois contemplar a embarcação afundando de uma rocha da ilha de Giglio, teve sorte.

A juíza de Grosseto, Valeria Montesarchio, determinou sua prisão domiciliar contrariando a opinião do promotor-chefe da localidade italiana, Francesco Verusio, que pediu a prisão preventiva do polêmico marinheiro.

O promotor vai recorrer da decisão da juíza porque "o capitão foi ruim na manobra, no abandono do navio, por não ter comandado as operações de resgate e por não ter dado nenhuma ordem".

Tudo o que sabemos sobre:
Costa ConcordiaItálianavio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.