Lojas de imigrantes são saqueadas em mais um dia de protestos na África do Sul

Em mais um dia de protestos, lojas de imigrantes foram saqueadas neste sábado no subúrbio de Johanesburgo, na África do Sul, seguindo uma série de ataques violentos, onde já matou seis pessoas, de acordo com a imprensa local.

Estadão Conteúdo

18 de abril de 2015 | 11h05

A presença de policiais aumentou no município de Alexandra após manifestantes saquearam

algumas lojas e formarem barricadas de pneus que foram queimados nas ruas durante a noite. A polícia disparou balas de borracha em uma tentativa de parar o protesto. Nos últimos dias, diversas lojas e carros de propriedade de imigrantes foram incendiados no centro

Johanesburgo.

Os ataques a imigrantes, muitos deles de outros países africanos, diminuíram após a morte das seis pessoas, disse a polícia. Cerca de 110 pessoas foram presas na província de KwaZulu-Natal durante os motins, de acordo com autoridades.

Alguns sul-africanos acusam os imigrantes de tomarem seus empregos e oportunidades em um país onde o índice de desemprego é muito alto. O governo disse que está averiguando queixas sobre imigrantes em situação irregular, mas salienta que muitos cidadãos estrangeiros vivem legalmente.

No subúrbio de Johanesburgo, estrangeiros com medo de voltar para casa buscaram refúgio em um centro comunitário e cerca de 100 se esconderam em um posto policial. Fonte: Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
África do Sulviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.