Londres 2012: Proprietários expulsam inquilinos para faturar com Jogos

Donos de imóveis estariam dando prazo de até duas semanas para que pessoas deixem suas propriedades na cidade.

BBC Brasil, BBC

08 Maio 2012 | 06h30

Inquilinos no leste de Londres estão sendo despejadas de suas casas por proprietários que tentam lucrar com a Olimpíada, segundo informações levantadas pela BBC.

A organização não governamental britânica Shelter, que auxilia moradores de rua e pessoas que residem em moradias precárias, diz ter recebido denúncias de que proprietários de imóveis situados perto das sedes dos Jogos de 2012 estão sendo expulsos de forma ilegal.

Um agente imobiliário disse que propriedades que normalmente eram alugadas por 350 libras (R$ 1.090) por semana estão sendo negociadas por 6 mil libras (cerca de R$ 18,6 mil) semanais.

Representantes da Shelter dizem que está aumentando o número de relatos de que proprietários estariam dando prazos curtos para que inquilinos deixem suas residências ou aumentando drasticamente aluguéis, de modo a faturar com os jogos.

Aviso prévio curto

A organização assistencial teme que a situação só irá se agravar à medida que a Olimpíada for se aproximando.

Os Jogos Olímpicos de Londres serão realizados de 27 de julho a 12 de agosto deste ano.

Segundo o repórter da BBC Michael Buchanan, ''a previsão de lucros está fazendo com que senhorios estejam informando seus inquilinos de que eles precisam deixar suas residências com um aviso prévio muito curto''.

Uma mulher disse à BBC que ela e as quatro pessoas com quem ela vive receberam um prazo de duas semanas para deixar sua residência e que outro casal recebeu um aviso prévio de três semanas.

A Associação Nacional de Proprietários da Grã-Bretanha condenou a prática, dizendo que é preferível para os senhorios ter em sua propriedade inquilinos bons e que pretendem permanecer em suas residências por longo prazo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.