Londres anuncia que Europa congelará fundos de banco iraniano

Ao lado de Bush, premiê britânico diz que continente estuda ainda retirar investimentos da indústria petrolífera da Irã

NYT E AP, O Estadao de S.Paulo

17 de junho de 2008 | 00h00

Após encontro com o presidente americano, George W. Bush, o primeiro-ministro britânico Gordon Brown anunciou ontem que a Grã-Bretanha e a Europa vão congelar os bens no exterior do maior banco comercial do Irã - para intensificar a pressão sobre Teerã e forçar país a recuar em suas atividades nucleares.Os dois líderes disseram que permaneciam abertos a resolver a disputa com o Irã por meio da diplomacia, mas só depois de os iranianos suspenderem seu programa de enriquecimento de urânio. O Ocidente teme que o Irã esteja desenvolvendo armamento nuclear, apesar da insistência de Teerã de que seu programa visa a produzir energia.No sábado, o Irã recebera com frieza uma proposta das potências ocidentais, que ofereciam incentivos econômicos e diplomáticos para que o país suspendesse seu programa atômico.Brown anunciou que a Europa restringirá as transações do banco iraniano Melli no continente. Afirmou também que, caso o Irã insista em desafiar as resoluções das Nações Unidas que exigem o fim de seu programa, os líderes europeus passariam a considerar o emprego de sanções sobre os investimentos na indústria de petróleo e gás natural do país.''Aguardamos a resposta do Irã e faremos todo o possível para manter o diálogo'', disse Brown na entrevista coletiva, ao lado de Bush. ''Mas também temos clareza de que, caso o Irã insista em ignorar a ONU, ignorar nossas ofertas de parceria, não teremos escolha além de intensificar as sanções.''O Irã não respondeu imediatamente a Brown, mas os economistas em Teerã disseram que as sanções poderiam aumentar as dificuldades do país, especialmente numa época em que o Irã depende muito de importações, especialmente as vindas da Europa.''As sanções vão aumentar a pressão, mas o Irã pode usar sua reserva de petróleo para pagar mais pelas importações'', disse o economista Saeed Leylaz. ''O Irã também substituirá o comércio europeu pelo asiático, procurando países como China e Índia, ou mesmo a Rússia, que ainda estejam dispostos a negociar com ele.''O Conselho Europeu, organismo administrativo da União Européia, ainda não adotou as sanções nem promoveu debates sobre elas no encontro realizado ontem entre os chanceleres da união, apesar de o conselheiro de Segurança Nacional de Bush, Stephen J. Hadley, ter anunciado que isso ocorreria. Diplomatas europeus disseram que os ministros de Exterior concordavam quanto à imposição da medida sobre o banco iraniano. Uma autoridade britânica disse - sob a condição de manter-se anônimo - esperar que as sanções sejam adotadas formalmente ''nos próximos dias''.''Se congelarmos os bens do Banco Melli, eles ficarão sem ter como conduzir negócios com a Europa'', disse a fonte. ''Isso começará a fazê-los sentir uma verdadeira pressão.''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.