Londres diz a Sharon que continuará trabalhando com Arafat

O secretário de Relações Exteriores britânico, Jack Straw, disse hoje ao primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, que a Grã-Bretanha continuará trabalhando com o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, apesar da argumentação de Sharon no sentido de que o líder palestino deveria ser removido do poder. Em um encontro destinado a reforçar os afrouxados laços entre dois velhos aliados, Sharon e Straw também conversaram sobre a implementação do ?roteiro? apoiado pelos EUA para a paz entre Israel e os palestinos e os casos de três cidadãos britânicos mortos ou feridos em Israel, disse um funcionário britânico que não se identificou. Segundo esse funcionário, frente às alegações do premier israelense, o chanceler britânico respondeu que a posição britânica é a de que, ?pelo fato de Arafat ter sido democraticamente eleito presidente da Autoridade Palestina, continuaremos mantendo vínculos com ele, por tanto tempo quanto julgarmos necessário?. Israel acusa Arafat de incentivar o terrorismo e impedir os esforços do moderado primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, de pôr fim à violência. Falando ao canal de notícias da rede americana Fox, Sharon responsabilizou o chefe da Autoridade Palestina por quase três anos de conflitos sangrentos no Oriente Médio. ?Arafat devia ser afastado de qualquer posição influente?, disse. A embaixada israelense na Grã-Bretanha recusou-se a comentar de imediato se Sharon havia pedido a Straw que Londres cortasse relações com Arafat, nem sobre a resposta dada pelo chanceler britânico. Um funcionário da Chancelaria britânica disse que o encontro entre ambos foi construtivo e incluiu ?todos os temas sobre a implementação do roteiro para a paz, incluindo a ação nos assentamentos (judaicos)?.

Agencia Estado,

14 Julho 2003 | 13h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.