Londres e Washington não devem coordenar processo de paz no Líbano

Estados Unidos e Grã-Bretanha, países que lideraram o ataque ao Iraque, não são os maisindicados para coordenar um esforço diplomático para resolver a atual crise entre Israel e o Líbano, declarou o vice-secretário-geral das Nações Unidas, Mark Mallock Brown, em entrevista ao jornal Financial Times. Segundo Brown, o Reino Unido deve ocupar um papel mais modesto na solução do conflito, e os Estados Unidos devem permitir que outros países compartilhem a liderança. "Não é bom criar a impressão de que a liderança está nas mãos domesmo grupo de países que assumiu a responsabilidade no conflito iraquiano. Não pode ser uma negociação entre EUA, Reino Unido eIsrael", acrescentou. Brown mandou um recado claro à diplomacia das duas potências: "Um dos meus primeiros chefes me ensinou que é importante saber não só quando dirigir mas também quando seguir os outros". Segundo Malloch Brown, a imagem dos dois aliados assumindo um papel de liderança na solução do conflito entre Israel e o Hezbollah pode criar a impressão de que vai se repetir o que aconteceu noIraque. O alto funcionário da ONU aconselhou Londres a assumir um papel construtivo e discreto. Porém, reconheceu a importância de Washington num processo de paz. Para ele, o comando das negociações deve ficar com os presidentesdos Estados Unidos, George W. Bush, e da França, Jacques Chirac. Os parceiros preferenciais seriam o rei Abdullah, da Jordânia, e o presidente egípcio, Hosni Mubarak. Mas de forma alguma oprimeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.