Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Londres expulsa israelense por ''caso Dubai''

Londres expulsa israelense por ''caso Dubai''

O chanceler da Grã-Bretanha, David Miliband, anunciou ontem a expulsão de um diplomata israelense acusado de ter falsificado um passaporte britânico para entrar nos Emirados Árabes, em janeiro, e assassinar Mahmoud al-Mabhouh, um comandante militar do grupo palestino Hamas em um hotel de Dubai.

AP E AFP, LONDRES, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2010 | 00h00

O diplomata estaria envolvido com um grupo de 27 agentes do Mossad, serviço secreto israelense, que usou passaportes britânicos, irlandeses, franceses, alemães e australianos para cometer o crime, segundo a polícia de Dubai. "Eu pedi que um membro da embaixada israelense fosse retirado da Grã-Bretanha como consequência deste assunto", disse Miliband, em discurso no Parlamento. "Foi um mau uso intolerável do passaporte britânico e representa um profundo desprezo por nossa soberania", justificou .

Reação. Em Jerusalém, o chanceler israelense, Avigdor Lieberman, lamentou a decisão do governo britânico, rejeitou as acusações e disse que, até agora, Londres "não forneceu nenhuma prova sobre a participação de Israel neste caso".

Um alto funcionário israelense que não quis se identificar descartou, em entrevista à agência de notícias France Presse, a hipótese de que algum diplomata britânico seja expulso de Israel, como retaliação. "A prioridade agora é acalmar a situação", disse ele, em tom conciliador, como o adotado por Lieberman, para quem "a relação com Londres é muito importante". /

PARA LEMBRAR

O corpo de Mahmoud al-Mabhouh, um dos líderes do Hamas, foi encontrado num hotel de Dubai em 20 de janeiro. Ele morreu por asfixia e a polícia de Dubai atribuiu o crime ao Mossad. Mas o serviço secreto israelense não confirmou nem desmentiu a autoria do crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.