Londres investigará uso de cobaias humanas

O governo britânico investigará o uso de até 20.000 cobaias humanas em experimentos com armas químicas e biológicas nos últimos 60 anos depois que muitos voluntários denunciaram efeitos nocivos desses experimentos sobre sua saúde, informou hoje a BBC. Os experimentos foram realilzados em instalações militares de Porton Down no sul da Inglaterra. Um porta-voz do ministério da Defesa reconheceu que os testes haviam sido "potencialmente perigosos", mas disse que eles foram necessários para comprovar os efeitos daninhos, sobre as pessoas, dos gases de combate (como o de mostarda e o chamado gás nervoso), e para comprovar se havia alguma forma de proteção contra eles. Os sintomas relatados por muitos dos afetados vão desde dificuldades respiratórias até problemas renais, e alguns asseguraram que foram enganados ao participarem dos experimentos; diziam-lhes que estavam testando o resfriado comum. Consta inclusive que alguns militares foram expostos ao letal gás sarin entre as décadas de 50 e 80. A investigação que o ministério da Defesa levará à frente, cujo prazo previsto é de dois anos, examinará os índices de mortaliadade entre os voluntários dessas provas desde 1939. O coordenador do grupo de Apoio aos Veteranos de Porton, Ken Earl, disse estar "totalmente encantado" com a notícia de que haverá uma investigação. "Há muita gente doente por aí e muitas viúvas, e estamos convencidos de que estamos doentes devido aos experimentos de que participamos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.