Londres nega 'militarização' do Atlântico Sul

Governo britânico reafirma que envio de destróier às Malvinas é operação de rotina e não negociará soberania do arquipélago

LONDRES, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2012 | 03h02

O governo britânico negou ontem as acusações da presidente argentina, Cristina Kirchner, de que estaria "militarizando" o Atlântico Sul e rejeitou mais uma vez negociar a soberania das Ilhas Malvinas, contestada por Buenos Aires nas Nações Unidas. Na terça-feira, Cristina prometeu ir ao Conselho de Segurança da ONU protestar contra uma suposta escalada militar britânica na região.

"Não estamos militarizando o Atlântico Sul. Nossa posição defensiva nas Falklands (como os britânicos se referem às Malvinas) permanece igual", disse uma porta-voz do premiê David Cameron. "Não há nenhuma evidência de que precisemos aumentar nossa presença a ativos militares ali."

Em comunicado divulgado ontem, a Secretaria de Exterior britânica afirmou que cabe aos kelpers (como são chamados os habitantes das ilhas) decidirem seu próprio destino. "Eles escolheram a cidadania britânica, têm liberdade para determinar seu futuro e não haverá negociações com a Argentina a não ser que eles assim desejem", diz o texto.

O envio do destróier HMS Dauntless ao Atlântico Sul e a chegada do príncipe William ao arquipélago para um treinamento militar de seis semanas irritaram o governo argentino. "Eles enviaram (para as Malvinas) um moderníssimo destróier, acompanhado do herdeiro real, que gostaríamos de ver em roupas civis", criticou Cristina na terça-feira. "Quero pedir ao premiê que, pelo menos dessa vez, dê uma chance à paz."

O Ministério da Defesa britânico, no entanto, alega que o envio do HMS Dauntless ao Atlântico Sul é uma operação de rotina planejada com antecedência. Segundo a Real Marinha Britânica, a embarcação apenas substituirá outro destróier. Em abril, a Guerra das Malvinas completa 30 anos.

Pressão. Desde o fim do conflito, a Argentina vem tentando retomar a posse das ilhas, conquistadas pelos britânicos em 1833, por meio da via diplomática. Com a chegada de Néstor Kirchner ao poder, em 2003, a Casa Rosada aumentou a pressão em fóruns internacionais, como a Assembleia-Geral da ONU, para tentar negociar com Londres. Cristina, que sucedeu ao marido em 2007, deu sequência ao projeto.

A descoberta de petróleo na plataforma continental do Atlântico Sul, em 2010, acirrou a disputa. No ano passado, o governo argentino lançou uma ofensiva diplomática junto a seus vizinhos sul-americanos para impedir que barcos com bandeira das Malvinas ancorem em seus portos. O pedido foi atendido por Brasil, Uruguai e Chile, o que praticamente vetou o acesso desses navios ao Atlântico Sul e parte do Pacífico.

Bloqueio. A diplomacia britânica teme que o próximo passo seja o fim de voos diretos entre o arquipélago e o continente, previstos num tratado assinado com a Argentina em 1999. A viagem, operada pela LAN Chile, liga semanalmente Punta Arenas, na Terra do Fogo chilena, a Port Stanley, nas Malvinas, com escalas quinzenais em Río Gallegos, na Patagônia Argentina. Na terça-feira, apesar de rumores na imprensa argentina terem indicado que Cristina poderia cancelar o acordo, ela não o fez.

A presidente apenas anunciou que tornará público o Relatório Ratterbach, produzido pela ditadura militar após a guerra, que aponta erros cometidos pelo Exército no conflito.

A Guerra das Malvinas durou seis semanas e deixou 800 mortos, a maioria deles argentinos. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.