Londres ordena partidários de Assange a pagarem fiança

Um tribunal britânico ordenou hoje a simpatizantes do jornalista australiano Julian Assange que paguem milhares de libras em fiança, apesar de o editor-chefe do site dedicado a vazamento de documentos secretos WikiLeaks não estar mais sob custódia da justiça do Reino Unido.

AE, Agência Estado

08 de outubro de 2012 | 09h37

A justiça britânica cobra a fiança de 93.500 libras (equivalente a cerca de US$ 150.000) por considerar que Assange, de 41 anos, violou os termos de sua liberdade condicional ao pedir asilo ao Equador.

O juiz Howard Riddle estabeleceu que nove simpatizantes que haviam prometido pagar a fiança de Assange têm até 6 de novembro para efetuar o depósito.

O simpatizantes em questão queixam-se que não podem ser penalizados pelo fato de Assange ter buscado asilo em outro país.

Antes de refugiar-se na Embaixada do Equador em Londres, em 19 de junho, Assange era obrigado a comparecer diariamente a uma delegacia de polícia.

Assange refugiou-se na representação diplomática em Londres para evitar uma possível extradição para a Suécia, onde a justiça o procura para que responda por acusações de violência sexual.

O jornalista e seus simpatizantes temem que a extradição para a Suécia seja apenas um pretexto para uma posterior extradição para os Estados Unidos, onde Assange poderia ser levado à justiça pelo vazamento de centenas de milhares de documentos secretos do governo norte-americano ao longo dos últimos anos.

O australiano está refugiado na embaixada equatoriana em Londres há mais de três meses. Os governos do Equador e do Reino Unido têm negociado uma solução para o impasse, mas o lado britânico insiste em executar a extradição e nega-se a conceder salvo-conduto para que Assange vá para o Equador, que lhe concedeu asilo em agosto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoWikiLeaksAssangefiança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.