Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Londres quer provar que militares estavam em área iraquiana

O governo britânico reafirmou nesta terça-feira, 27, que os 15 militares presos pelo Irã no Golfo Pérsico estavam em águas iraquianas quando foram capturados na sexta-feira pela força naval de Teerã. Segundo um porta-voz de Downing Street, não são descartadas possibilidade de demonstrar publicamente que o Irã agiu equivocadamente.Em referência à afirmação do primeiro-ministro do Reino Unido,Tony Blair, de que os esforços para conseguir a libertação dos 15podem entrar em uma "fase diferente", o porta-voz disse que ogoverno pode adotar outra atitude e tornar público o que sabe."Até agora não fomos explícitos sobre o que o sabemos (emreferência às águas iraquianas) porque não queremos uma escalada (desta crise)", disse. "Talvez tenhamos que chegar a um momento em que sejamos mais explícitos sobre o que sabemos", insistiu o porta-voz."Queremos que as pessoas, em particular a comunidadeinternacional, não tenham dúvidas de que achamos que estamos certos sobre este caso", ressaltou a fonte de Downing Street.Anteriormente, Blair havia advertido que os esforços paraconseguir a libertação dos sete fuzileiros navais da Marinha e oitomarinheiros podem passar para uma "fase diferente" se a diplomacia fracassar.Crise diplomáticaO Reino Unido insiste em que os militares foram capturados pela força naval iraniana em águas jurisdicionais iraquianas no norte do Golfo Pérsico, mas Teerã afirma que os britânicos entraram em águas Iranianas.De acordo com as autoridades de Londres, o grupo, da tripulaçãoda fragata "HMS Cornwall", tinha completado a inspeção de um navio mercante quando suas duas lanchas foram cercadas e escoltadas por navios iranianos até águas territoriais do Irã.A fragata britânica patrulha o Golfo Pérsico para manter asegurança nas águas territoriais iraquianas e proteger suasinfra-estruturas marítimas.A captura dos 15 britânicos ocorreu na sexta-feira na área docanal Shatt al-Arab, limítrofe entre Iraque e Irã e cujo controlesuscitou a guerra que os dois países travaram entre 1980 e 1988.O Reino Unido e o Irã viveram um incidente similar em 2004 quando o regime de Teerã manteve oito militares britânicos detidos durante três dias por entrarem de forma ilegal em águas jurisdicionais do Irã, no Golfo Pérsico.Apoio turcoOs ministros de Assuntos Exteriores da Turquia e do Reino Unido expressaram nesta terça seu otimismo sobre uma rápida e pacífica libertação dos militares.Em entrevista coletiva em Ancara, a titular britânica deExteriores, Margaret Beckett, disse que "os soldados (britânicos)estão a salvo, se encontram bem e estão sendo cuidados".Após um encontro bilateral, Beckett e seu colega turco, Abdullah Gul, responderam às perguntas da imprensa. Gul disse que a Turquia também está envolvida nos problemas do Golfo Pérsico. "Estamos trabalhando a favor de uma solução pacífica do problema no período de tempo mais curto possível e estamos em contato com nossos vizinhos iranianos. Confiamos em que haverá em breve uma solução pacífica", disse o chefe da diplomacia turca.Beckett se negou a responder a uma pergunta sobre outrasopções além das diplomáticas para resolver o conflito com o Irã, mas apontou que esta é uma situação infeliz e difícil entre Irã e oReino Unido. "Resolvê-la de maneira rápida e pacífica é do interesse de todos."Beckett disse que até agora o governo iraniano não disse onde os soldados britânicos estão detidos.A chanceler afirmou estar satisfeita com o fato de que todos ossoldados estão bem e disse que Londres "deseja que a embaixada e o consulado britânicos no Irã contatem os marinheiros o mais rápido possível para que possam sentir que suas famílias e Governo estão do seu lado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.