Londres quer que CS assuma "responsabilidades"

O principal aliado dos EUA na defesa do uso da força contra o Iraque, o Reino Unido, exortou o Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas a assumir suas responsabilidades se "a não-cooperação iraquiana continuar". O chanceler britânico, Jack Straw, avaliou que o informe dos EUA expôs "o grande perigo que Saddam Hussein representa" e enfatizou que o próximo relatório dos inspetores da ONU, no dia 14, será decisivo para que o CS tome uma decisão. Para Straw, a lógica das resoluções da ONU sobre o desarmamento do Iraque é "inexorável" e o tempo que resta é muito curto. "O momento das decisões chegou para Saddam e o regime iraquiano, mas é também o momento das decisões para as Nações Unidas", afirmou Straw, concluindo seu pronunciamento com uma referência ao fracasso da Liga das Nações (a entidade mundial que precedeu a ONU), por ter-se negado a fazer uso da força. "Pelo bem da história e a saúde de nosso futuro, não devemos cometer o mesmo erro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.