Londres simula ataque químico em estação do metrô

A polícia britânica simulou neste domingo um resgate a vítimas de um ataque com armas químicas no metrô de Londres. Durante o treinamento foi sinulado o socorro a dezenas de "vítimas" feito nas ruas do centro dacapital antes delas serem transportadas a um hospital próximo. Centenas de policiais e pessoas que trabalham em serviços de emergênciaparticiparam do exercício na Square Mile, no distrito financeirode Londres, para treinar sua ação em caso de um ataqueterrorista na capital. A polícia bloqueou a entrada da estação de Metrô Bank evárias ruas próximas para realizar a simulação. O Departamentode Transportes disse que o exercício, o primeiro em grandeescala desde os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001contra os EUA, não teve como objetivo responder a uma ameaçaespecífica. "A maioria das pessoas adverte que vivemos em tempos muitosdifíceis. Temos que estar preparados para enfrentar todo tipo deincidentes", disse o secretário de Transportes Alistair Darlingà rede de televisão Sky News. "Temo que vivemos em um mundo noqual não podemos descartar um ataque a Londres". A simulação começou ao meio-dia (horário local), quando umtrem subterrâneo parou em um túnel próximo da estação de Bank,como se tivesse sofrido um ataque químico em seu interior. Os passageiros - cadetes da polícia - foram evacuados e"tratados" por pessoal de serviços de emergência e por bombeirosque usaram um novo equipamento de descontaminação. Ken Livinstone, prefeito de Londres, disse que, de acordo comas primeiras impressões, o exercício foi um sucesso,especialmente a prova das vestes de descontaminação. "O pessoaltrabalhou com os trajes durante mais tempo do que pensávamos. Osprimeiros cálculos indicavam que apenas era possível usá-los porcerca de 20 minutos no subsolo antes de trocá-los", disse. Mais de 350.000 pessoas trabalham diariamente em torno daSquare Mile. Na área estão localizados o Banco da Inglaterra, aBolsa de Valores de Londres e a residência oficial do prefeitoda cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.