Ronaldo Schemidt/AFP
Ronaldo Schemidt/AFP

López Obrador conversa com Trump sobre plano de US$ 5 bilhões para conter imigração

Segundo o presidente do México, o programa seria feito com recursos mexicanos privados e governamentais para focar em infra-estrutura e fazer com que as pessoas não migrem

O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2018 | 14h24

CIDADE DO MÉXICO - O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), propôs ao americano Donald Trump um plano conjunto de US$ 5 bilhões entre os dois países para conter a imigração dos países da América Central aos EUA. A conversa ocorreu por telefone na quarta-feira 12.

“Foi muito boa a conversa, amistosa e respeitosa. E falamos do tema migratório e da possibilidade de acertar um acordo de inversão para apoiar projetos produtivos”, afirmou López Obrador nesta quinta-feira, 13, em entrevista coletiva.

O programa conjunto teria como objetivo o desenvolvimento e geração de empregos na América Central e no México para que as pessoas “não tenham necessidade de migrar”, explicou o presidente mexicano. “Falei a ele (Trump) para nós organizarmos esse plano que já está contemplado no orçamento que será entregue (ao Legislativo) no sábado, de US$ 5 bilhões”.

López Obrador falou que seria um “acordo conjunto de investimento, que incluiria empresas e os governos”.

Nesta quinta, Trump usou o Twitter para falar que o México arcará com os custos do muro a ser construído na fronteira entre os dois países. Segundo ele, o dinheiro virá do que for poupado com o novo acordo comercial entre EUA, México e Canadá (UMSCA, conhecido como novo Nafta), apesar de o americano ter pedido dinheiro ao Congresso para financiar a construção.

Questionado sobre se falaram sobre o muro, o presidente mexicano informou que “não foi tratado desse tema em nenhuma conversa”. A Casa Branca não respondeu de imediato ao pedido de comentário feito pela agência Reuters.

Imigração

Milhares de imigrantes estão vivendo em abrigos e acampamentos lotados em Tijuana após deixarem a América Central fugindo da pobreza e da violência. Eles podem precisar esperar semanas ou meses para pedir asilo na fronteira dos Estados Unidos.

A imigração ilegal foi tema central da campanha presidencial de Trump. Ele voltou à questão diversas vezes este ano antes das eleições legislativas de 6 de novembro.

López Obrador tem prometido desestimular a imigração por meio do desenvolvimento econômico, e quer que os EUA contribuam para um plano direcionado ao sul do México, região mais pobre do país, e à América Central. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.