EFE/AMLO
EFE/AMLO

López Obrador diz que fará referendo sobre seu mandato em três anos 

Presidente eleito do México afirma que cumprirá promessa de validação sobre seu governo em três anos 

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 21h31

CIDADE DO MÉXICO - O presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que colocará sua presidência à prova em um referendo dentro de três anos, dando ao povo mexicano a chance de decidir se ele deve ou não continuar no poder no meio de seu mandato de seis anos.

“É uma promessa que vou cumprir”, declarou o presidente eleito em entrevista à TV Azteca na noite de segunda-feira. “Assim como eles me elegeram, eles terão a chance de me tirar, mas tenho certeza que vou ganhar porque haverá resultados”, afirmou.

López Obrador, que venceu a eleição presidencial no domingo e assumirá o poder em 1.º dezembro, disse que não tentará concorrer à reeleição, que é atualmente proibida no México e demandaria uma mudança na Constituição do país. 

+ The Economist: Uma nova era no México

O esquerdista prometeu nesta terça-feira, 3, uma transição ordenada quando assumir a presidência do México, sem sobressaltos, sobretudo na parte econômica. “Nesse período, temos de entrar em acordo em muitos temas, principalmente em conseguir que a transição ocorra de maneira ordenada, sem sobressaltos, com confiança em temas econômicos e financeiros”, disse. 

Ele acrescentou que a convite do atual presidente, Enrique Peña Nieto, participará da cúpula da Aliança do Pacífico – o grupo de livre-comércio formado por México, Peru, Chile e Colômbia – que ocorrerá entre os dias 24 e 25 no balneário de Puerto Vallarta, no Estado de Jalisco. O presidente eleito disse que no diálogo sobre o Nafta manterá, por enquanto, a equipe negociadora de Peña Nieto, mas incorporará seus colaboradores.

Papa. López Obrador anunciou ontem que convidará o papa Francisco para “alcançar a paz no país” e anunciou um encontro nos próximos dias com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. A presidência do México confirmou que Pompeu visitará o México no dia 13. 

Nos últimos dois dias, López Obrador mostrou sua particular forma de fazer política e seguido por jornalistas em motocicletas e, às vezes, até mesmo de helicóptero. “Sem esmagar”, pediu com um sorriso aos repórteres.

Criou polêmica por rejeitar a proteção de guardas presidenciais. Ele anda habitualmente em um carro compacto e permite que as pessoas se aproximem. A polícia reage rapidamente. 

Como prometeu na campanha, López Obrador disse que não usará as aeronaves oficiais, que viajará “em aviões comerciais e por terra” e não morará em Los Pinos, a residência que, por décadas, os presidentes viveram e trabalharam. “Vou cuidar das pessoas, do povo”, disse. / REUTERS, AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.