Juan Francisco Moreno/Efe
Juan Francisco Moreno/Efe

Lorca tem patrimônio histórico danificado com terremoto

Cidade do sul da Espanha tem prédios centenários; canal gravou queda de campanário de igreja

estadão.com.br

11 de maio de 2011 | 21h52

SÃO PAULO - A cidade de Lorca, a mais afetada pelos terremotos de magnitude 5,1 e 4,5 que abalaram o sul da Espanha nesta quarta-feira, 11, teve parte de seu patrimônio histórico-cultural afetado pelos sismos. O local ostenta a condição de Conjunto Histórico-Artístico conferido pelo governo espanhol.

 

Veja também:

link'Não podemos descartar novos terremotos', diz prefeito

especialINFOGRÁFICO: Os piores desastres dos últimos 50 anos

 

A cidade é um destino turístico comum na Espanha por abrigar construções e castelos medievais. Lorca também está localizada em uma área que foi disputada por reinos espanhois e mouros por séculos - já que ficava entre o reino de Castela e o califado de Granada - e por isso é considerada uma área de grande valor histórico.

 

Algumas dessas construções foram danificadas pelos tremores, sentidos também em regiões próximas. Uma canal de televisão local gravou imagens do desabamento do campanário de uma igreja da cidade. Testemunhas reportaram danos em outros prédios e monumentos.

 

Os terremotos desta quarta-feira deixaram ao menos oito mortos e dezenas de feridos em Lorca, cidade da região da Múrcia. O governo acionou as equipes de resgate e pediu que a população evite retornar às suas casas por temer novos desabamentos. Os serviços de telefonia locais estão cortados. O município de Lorca tem pouco mais de 90 mil habitantes.

 

O sul da Espanha está situado sobre uma região onde se encontram as placas tectônicas da Eurásia e Africana. O atrito dessas placas causou o terremoto de L'Áquila, no centro da Itália, em 2009, quando quase 300 pessoas morreram.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaterremotoLorcaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.