REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Lourival Sant'Anna: As tentativas de Trump de criar um novo Nafta

Novo acordo de livre-comércio deve encarecer produtos, principalmente os carros

O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2018 | 05h30

A estratégia do presidente Donald Trump de renegociar o Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta) tem surtido os efeitos desejados – mais sobre o México do que sobre o Canadá. As previsões mais pessimistas não se concretizaram: com as concessões mexicanas, os automóveis vão encarecer, mas isso já estava precificado pelo setor, e o Canadá nem se curvou nem ficou de fora.

Trump havia estabelecido sexta-feira como prazo final para a renegociação. Depois de anunciar um entendimento com o governo mexicano, na segunda-feira, ele passou a ameaçar o Canadá com a exclusão, o que na prática significaria um acordo bilateral EUA-México e o fim do Nafta. 

O prazo, dentro da estratégia de Trump, valia realmente só para o México. Pela lei americana, o presidente só pode assinar um acordo comercial 90 dias depois de notificar o Congresso. O presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, toma posse no dia 1.º de dezembro. Trump e o atual presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, não queriam correr o risco de jogar fora um ano de negociações. López Obrador poderia assumir uma posição mais dura.

Ele prometeu, por exemplo, reativar a agricultura do sul do México, devastada pela concorrência americana desde a introdução do Nafta. Daí a necessidade de notificar o Congresso até 31 de agosto, para começar a contar os três meses antes de 1.º de dezembro. Foi o que a Casa Branca fez na sexta-feira.

O risco de o Canadá ser excluído levou a chanceler Chrystia Freeland a encurtar um giro pela Europa e ir para Washington, na quarta-feira, reunir-se com o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer. Depois de três dias de negociações, tumultuadas pelo vazamento de uma declaração de Trump, de que seriam “totalmente nos termos” dele, EUA e Canadá não chegaram a um acordo. 

Assustado com a perspectiva do fim do Nafta, Peña Nieto insistia que preferia a inclusão do Canadá no acordo. Trump, na verdade, estava blefando. A aprovação de um acordo bilateral com o México requereria o apoio de 60 dos 100 senadores. Os republicanos têm apenas 50 e avisaram o presidente que apoiariam uma revisão trilateral do Nafta, que requer maioria simples, e não um acordo bilateral com o México.

Na carta ao Congresso, o governo informa que planeja assinar em 90 dias um acordo com o México e com o Canadá “se ele estiver disposto”. No início da semana, o premiê Justin Trudeau disse que “nenhum acordo é melhor do que um acordo ruim para o Canadá”.

Os canadenses até acenaram com a abertura de seu mercado de laticínios, um tabu no país. Mas não arredaram pé do Capítulo 19 do Nafta, que impede os EUA de abrir processos contra parceiros por dumping e subsídios. Os EUA querem eliminar o capítulo – e, segundo Lighthizer, o México concordou.

Na verdade, os mexicanos cederam em quase tudo. A porcentagem mínima de componentes fabricados nos EUA para carros montados no México por indústrias americanas subirá de 62,5% para 75%. O que estiver aquém disso sofrerá tarifa de 2,5% – algo que algumas montadoras preferirão absorver, repassando o preço para o consumidor. A proporção de aço, alumínio, vidro e outros materiais proveniente dos três países também vai aumentar.

Entre 40% e 45% dos veículos terão de ser montados por operários que recebam no mínimo US$ 16 por hora – patamar americano e canadense. O salário médio dos trabalhadores mexicanos na indústria automobilística é US$ 2,30. Outros direitos trabalhistas, já previstos no Nafta e nunca colocados em prática, devem ser impostos. Os trabalhadores dos três países sairão ganhando, num primeiro momento. Já os consumidores pagarão mais pelos carros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.