Lugo diz que acata decisão mas a democracia foi 'ferida'

O ex-presidente do Paraguai, Fernando Lugo, afirmou na noite desta sexta-feira que acatará a destituição sofrida um pouco mais cedo no Senado e que enfrentará na Justiça as investigações relativas ao impeachment. O mandato de Lugo foi cassado no Senado por 39 votos a favor, quatro contra e duas abstenções.

AE, Agência Estado

22 de junho de 2012 | 19h50

Tranquilo e aparentando serenidade, Lugo rechaçou o julgamento rápido feito pelo Senado e disse que a democracia paraguaia ficou "ferida" porque seus princípios fundamentais foram "transgredidos".

"Nesta noite, eu saio pela porta maior da Pátria", afirmou. "Esta é a porta do coração dos meus compatriotas", afirmou Lugo. Em tempo recorde e com maioria esmagadora, o Senado destituiu Lugo em meio a protestos de partidários e simpatizantes do mandatário e críticas da comunidade internacional sobre irregularidades no procedimento.

Lugo ficou quase quatro anos no poder, apesar das críticas frequentes do seus detratores e de sofrer um câncer linfático, do qual se tratou em São Paulo, no Brasil. A sessão que destituiu Lugo durou mais de cinco horas no Congresso do Paraguai e ocorreu menos de um dia após a Câmara dos Deputados pedir a abertura do julgamento político do mandatário por incompetência no desempenho das funções presidenciais. A acusação contra Lugo teve cinco pontos e pelo menos dois deles se referiam diretamente à questão dos sem-terra no Paraguai, que se arrasta há vários anos. Um desse pontos foi a morte de 17 pessoas (11 camponeses e seis policiais), durante o cumprimento de uma ordem judicial de retirada dos sem-terra de uma propriedade invadida no dia 15 de junho, em Curuguaty, localidade 400 quilômetros ao nordeste de Assunção.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.