Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Lugo faz exames em São Paulo

Presidente paraguaio, que tem câncer linfático, chegou ao Brasil em avião da FAB

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

10 de agosto de 2010 | 15h49

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, deu entrada na tarde desta terça-feira, 10, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para realização de exames complementares da hipótese diagnóstica de linfoma.

O objetivo é verificar a dimensão do câncer linfático diagnosticado na semana passada, quando os médicos removeram um linfoma de sua virilha.

A equipe que o acompanha é coordenada pelos Doutores Roberto Kalil Filho, Paulo Hoff, Frederico Costa, Yana Novis e Júlio César Marino.

"Vai fazer vários exames a partir de agora. Exames complementares em relação ao que foi feito no Paraguai", disse a jornalistas o cardiologista Roberto Kalil Filho, que faz parte da equipe que tratará do presidente paraguaio no Brasil.

Lugo, que veio ao país em um jato da Força Aérea Brasileira cedido pela Presidência da República, chegou ao hospital na capital paulista por volta das 14h15 desta terça-feira.

 

Kalil afirmou que os exames aos quais Lugo será submetido têm o objetivo de obter "uma confirmação diagnóstica".

 

"Esse é um diagnóstico importante e detalhado, então vai haver uma série de exames", afirmou. "É muito cedo, nós não temos uma informação", acrescentou o cardiologista, quando questionado se já era possível saber a extensão do eventual linfoma.

 

Ele disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já foi informado sobre a chegada de Lugo ao hospital, onde o vice-presidente, José Alencar, e a ex-ministra-chefe da Casa Civil e candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, fizeram recentemente tratamentos contra o câncer.

 

Em Brasília, indagado por jornalistas sobre a razão pela qual a FAB disponibilizou uma aeronave para que Lugo viesse fazer exames no Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que a prática era normal, além de ser uma "cortesia" ao líder de um "país amigo que precisa de apoio".

 

"É uma coisa normal, uma cortesia a um chefe de Estado estrangeiro, muitas vezes praticada até quando a pessoa está com boa saúde, vem para uma reunião e tem uma dificuldade logística", disse.

 

Lugo, que veio ao Brasil acompanhado de dois médicos e de ministros, deve ficar internado até a manhã de quinta-feira e está instalado em um dos apartamentos do hospital, localizado na região central da capital paulista.

Com informações da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.