Lugo retira pedido para que Venezuela entre no Mercosul

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, retirou hoje do Senado o pedido para a entrada da Venezuela no Mercosul, segundo seu assessor legal Emilio Camacho. O funcionário não deu explicações para o recuo. Nos últimos dias, senadores de diferentes partidos políticos opositores, que dominam o Parlamento, adiantaram que rechaçarão a entrada da Venezuela. "Até que o presidente Hugo Chávez não dê arestas democráticas a seu governo, seu ingresso no Mercosul não será possível", afirmou o senador Miguel Carrizoza, presidente do Congresso, da sigla opositora Patria Querida.

AE-AP, Agencia Estado

13 de agosto de 2009 | 15h23

Julio César Velázquez, do também opositor Partido Colorado, apontou que "o governo de Chávez atenta contra uma instituição democrática, a liberdade de imprensa e de expressão, então é difícil que ingresse no Mercosul". Já Carlos Filizzola, do partido País Solidario, da situação, apontou que "não é Chávez o ponto, é a Venezuela como país". "Deveríamos aprovar a incorporação venezuelana, porque para a região representa um mercado gigantesco", afirmou Filizzola.

A Venezuela obteve, no ano passado, o respaldo dos Parlamentos de Argentina e Uruguai. Os congressistas brasileiros, porém, como os paraguaios, opõem-se à entrada do país na entidade. O Mercosul é um bloco regional aduaneiro integrado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Como membros associados estão Bolívia e Chile.

Tudo o que sabemos sobre:
diplomaciaMercosulVenezuelaParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.